Revista Mulheres e Literatura – vol.13 – 2014



ÚRSULA: A VOZ DOS EXCLUÍDOS DO SÉCULO XIX NO ROMANCE DE MARIA FIRMINA DOS REIS





ÚRSULA: A VOZ DOS EXCLUÍDOS DO SÉCULO XIX

NO ROMANCE DE MARIA FIRMINA DOS REIS

José Geraldo da Rocha¹

Unigranrio

Patricia Luisa Nogueira Rangel²

Unigranrio

Resumo: Este artigo objetiva analisar as representações das classes excluídas no século XIX, como mulheres e negros no romance Úrsula, de Maria Firmina Reis. A autora se destaca por ser mulher e negra, mostrando, assim, a importância feminina na literatura como reconstrução da história, o que está de acordo com o conceito de Walter Benjamim, dar voz aos que foram calados pela classe dominante. O romance Úrsula tem papel importante para a preservação dos sentimentos, valores e saberes africanos, além de as personagens femininas transgredirem as normas patriarcal da época. Ao quebrar as representações do negro e mulher na literatura brasileira do século XIX, a autora do romance torna-se a percussora da mulher na literatura negra. Maria Firmina dos Reis dentro de sua narrativa traz reflexões sobre a questão escravocrata e da mulher.

Palavras chaves:Úrsula – Maria Firmina Reis – literatura – Mulher – Negro

Resumen: Este artículo tiene como objetivo analizar como se dan las representaciones sociales de las excluidas en el Siglo XIX, mujeres y negros en la novela Úrsula, de Maria Firmina dos Reis. La autora se destaca por ser mujer y negra, mostrando, así, un importante aporte en la literatura femenina en la reconstrucción de la historia, que, segundo el concepto de Walter Benjamin, significa dar Voz a los que fueran silenciados por las clases dominantes. La novela Úrsula tiene papel importante para la preservación de los sentimientos, valores y saberes africanos. Además, demuestra como las personajes femeninas traspasan las normas patriarcales de su tempo al romper con las representaciones. En cuanto negra y mujer brasileña en la literatura del siglo XIX, la autora se torna una precursora de la mujer en la literatura de autoría negra. Maria Firmina dos Reis, en su narrativa, hace reflexionar sobre la situación de la mujer en el contexto de la esclavitud.

Palabras clave: Úrsula – Maria Firmina Reis – literatura – Mujer – Negro

Introdução

Este artigo possibilitará a análise de representações de elementos excluídos pela sociedade do século XIX, como mulheres e negros, dentro do romance Úrsula de Maria Firmina dos Reis.

A autora é considerada a primeira escritora brasileira, e por ser negra, também assume a categoria de primeira escritora da literatura que aborda temas sobre o negro. Sua literatura, portanto, revela a importância da mulher na literatura brasileira, como reconstrução da história.

A literatura afrobrasileira é uma grande fonte histórica, em que ocorre o resgate da identidade de negros escravizados, os quais sofreram com tentativas de aculturação de uma classe dominante. O livro Úrsula, de Maria Firmina dos Reis, é um romance que trata do tema escravidão, em que a oralidade dos personagens retoma os saberes africanos, de forma que esta obra resgatou uma nova construção do sentido e perspectiva histórica, pois deu voz aos negros para expressar seus pensamentos, sentimentos e contar a sua história.

Outra questão abordada por Firmina foi a questão da mulher no sistema patriarcal da época. Suas personagens, Úrsula e Luísa B…, fogem ao padrão da época. Luísa B… casa-se contra a vontade do irmão e, quando viúva, assume as responsabilidades de casa. Úrsula se apaixona por Tancredo e não se submete ao casamento com seu Tio. Reis apresenta mulheres fortes. A narrativa Úrsula trata do romance entre Úrsula e Tancredo, no entanto, surge um terceiro, Fernando F…, tio da mocinha, que a deseja e, para tê-la, é capaz de ir até as últimas consequências. Surgem na trama, como aliados do casal, os escravos: o jovem Túlio e a Velha e boa Suzana.

Enfim, o trabalho em questão evidencia o resgate de uma escritora do século XIX, por meio do seu romance, de uma herança histórica, política, literária e revolucionária.

1. Maria Firmina dos Reis: a autora e a obra

Maria Firmina dos Reis nasceu em 1825, na cidade em Ilha de São Luís, capital da província do Maranhão. Mestiça e filha ilegítima de João Pedro Esteves e Leonor Felipe dos Reis. Aos cinco anos mudou-se para Vila de Guimarães, município de Viamão, ainda no mesmo estado, em que sofreu forte influência do primo, por parte da mãe, Sotero dos Reis, escritor maranhense. Segundo Mendes (2006), Firmina era autodidata e seus conhecimentos se deram através de muitas leituras, inclusive, lia e escrevia francês fluentemente.

Martin (1988), segundo a pesquisa de José Nascimento Moraes Filho (1975), declara que, em 1847, Maria Firmina foi a única aprovada no concurso de professora primária na Vila de Guimarães, se aposentando em 1881. Em 1880, aos 55 anos, ela fundou a primeira escola mista de Maranhão, no entanto, Mendes (2006) comenta que esta escola foi fechada em 1890. Faleceu em 1917, pobre e cega, aos 92 anos.

De acordo com Martin (1988), o romance Úrsula foi publicado em 1859, no entanto, o nome da autora era representado por um pseudônimo “uma Maranhense” e começa a circular em 1860. Esta obra foi o primeiro romance abolicionista e o primeiro escrito por uma mulher. No entanto, Lima (2009) comenta que embora Reis tivesse escrito sua narrativa antes de o Poeta dos escravos, Castro Alves, escrever seu poema expressivo “Navio negreiro”, em 1869, somente no século XX é que recebe o reconhecimento devido, após sua morte.

A partir de 1860, Maria Firmina dos Reis começa a colaborar com diversos textos literários de sua autoria em diversos jornais da época, como A Imprensa, O Jardim dos Maranhenses, Porto Livre, Semanário Maranhense, O Domingo, O País, e outros do estado, conforme Martin (1988). Firmina não assinava seu nome em seus trabalhos, mas as iniciais M.F.R., tática usada para maior aceitação na sociedade.

Ainda segundo o autor, citando José Nascimento de Moraes Filho (1975), o romance Úrsula foi recuperado através do pesquisador Horácio de Almeida, em 1962, quando comprou um lote de livros usados e entre eles se encontrava o único exemplar que se conhece do romance. Nesse momento, Maria Firmina dos Reis ficou reconhecida como a primeira escritora brasileira e da literatura negra. Em 1973, José Nascimento Morais Filho (1975) encontrou outras obras da escritora e as registrou na Seção de Livros Raros da Biblioteca Pública Benedito Leite, em 10 de dezembro do mesmo ano.

Mendes (2006) declara que Firmina escreveu, esteticamente, dentro do contexto da realidade na época, com dificuldades econômicas e geográficas por sempre viver em Guimarães e São Luís (MA), e inserida numa sociedade patriarcal. Seus temas eram o que escritores de seu tempo negavam, de forma que demonstrava não só sua contemporaneidade, como também consciência política e social fora dos padrões da sociedade interiorana daquele século.

Mendonça (1999, p. 68) comenta que a leitura de obras escritas por mulheres, além do reconhecimento de suas presenças, como escritora, também funcionam como sujeito histórico que participa de diferentes contextos discursivos. Firmina, antecipadamente, propõe “a necessidade de um redirecionamento da história do país, sugerindo sutilmente a valorização e o resgate das minorias (negro, índios e até detentos), para que também elas fizessem parte do contexto histórica”.

Schmidt (1999, p. 37) comenta que os textos literários de autoria de mulheres possibilitam críticas, pois sua “função e valor são produzidos em relação a contextos culturais e sociais que são historicamente específicos”:

À medida que a herança literária deixada por mulheres se torna visível e suas continuidades começam a se somar em direção ao mapeamento de uma nova cartografia simbólica, desarticula-se a visão canônica do passado literário e se instala a demanda pela reescritura da história literária (SCHMIDT, 1999, p. 37).

No prólogo de Úrsula, Maria Firmina se justifica por não seguir os padrões da época e apresenta seu livro como sendo humilde e certa de que passaria pelo indiferentismo de uns e deboche de outros. Ela enfatiza a desvalorização do romance por ser mulher, além de pouca escolaridade, numa sociedade em que os homens dominam.

Sei que pouco vale este romance escrito por uma mulher, e mulher brasileira, de educação acanhada e sem o trato e conversação dos homens iletrados, que aconselham, que discutem e que corrigem, com uma instrução misérrima, apenas conhecendo a língua de seus pais, e pouco lida, o seu cabedal intelectual é quase nulo (REIS, 1988, p. 19).

No final do prólogo, ela compara seu livro a uma donzela que a natureza negou a formosura, e solicita que deixem seu livro circular, apesar de sua humildade para que ela própria venha escrever coisa melhor ou que sirva de incentivo para outras.

A narrativa do romance Úrsula é uma crítica feita por Maria Firmina Reis da sociedade do século XIX, pelas vozes dos personagens, dando visibilidade aos pensamentos de mulheres e de negros escravos, de maneira que, as personagens apresentam características diferentes, com suas individualidades e experiências, fugindo do estereótipo definido pela sociedade literária da época.

A partir da obra, se desestabiliza a linha divisória da história, pois são várias vozes, e não uma só, da classe dominante, de forma que a história se transforma em blocos de verdades. Enquadrando-se ao que Walter Benjamin (1987, p. 222) entende por história, uma postura de narrar e colocar-se ao lado dos oprimidos, além de “levar em conta a verdade de que nada do que um dia aconteceu pode ser considerado perdido para a história”, questionando assim, o conceito de verdade.

2. Negros e escravos

Maria Firmina dos Reis aborda a temática do negro, situando-o no tempo e espaço do sistema colonial, uma sociedade patriarcal e escravocrata, com discurso ideológico, refletindo assim “uma oportunidade revolucionária de lutar por um passado oprimido” (BENJAMIN, 1987, p. 231). A favor dos escravos, Firmina apresentou, ao leitor, o negro com outra visão – bom, generoso, fiel, com memória, sofrido e, principalmente, como ser humano.

Através de seu romance, é possível uma leitura nas entrelinhas o que era ser negro naquela sociedade, levando o leitor a refletir sobre o universo escravista. Benjamin (1987) declara que o cronista ao narrar os acontecimentos, não faz distinção entre os grandes e os pequenos, levando em consideração a verdade de cada um, porque não se pode descartar a experiência vivida e o que um dia aconteceu não pode ser considerado perdido para a história.

Um dos personagens negros em Úrsula é Túlio, jovem que socorreu Tancredo, jovem cavaleiro branco e melancólico, ferido em uma queda de cavalo.

Caiu, e de um jato perdeu o sentimento da própria vida; porque a queda lhe ofendeu o crânio, e aturdido, e maltratado, desmaiou completamente. Para mais desastre o pobre animal no último arranco do existir, distendendo as pernas, foi comprimir acerbamente o pé direito do mancebo, que inerte e imóvel, como se fora frio cadáver, nenhuma resistência lhe opôs (REIS, 1988, p. 23).

Reis (1988) apresenta Túlio como uma pessoa que sofria com o cativeiro, considerando-se mísero escravo, pois a condição escravo era de infelicidade, levando uma vida mesquinha. Mas apesar do rigoroso desprezo dos homens brancos, Túlio não se tornou desumano, porque

Os sentimentos generosos, que Deus lhe implantou no coração, permaneciam intactos, e puros como a sua alma. Era infeliz; mas era virtuoso; e por isso seu coração enterneceu-se em presença da dolorosa cena, que se lhe ofereceu à vista (REIS, 1988, p. 25).

Maria Firmina mostra o negro numa visão positiva, considerando-o nobre por se dispor em ajudar alguém que não conhecia e se compadecer da dor do mesmo, mas essa característica não foi obtida com o convívio com os brancos, mas era próprio de Túlio como ser humano. “Túlio observava-o com angústia: as dores do mancebo senti-as ele no coração” (REIS, 1988, p. 32). Dessa maneira, Firmina desconstrói a ideologia de que os negros eram coisas ou animais, mas possibilita uma nova visão sobre eles ao mostrá-lo como seres humanos com sentimentos.

O escravo tinha um amor desinteressado e tinha empatia, se colocando no lugar do outro e como resultado foi alforriado pelo jovem Tancredo como símbolo de gratidão e amizade. O jovem negro ansiava pela liberdade, “a liberdade era tudo quanto Túlio aspirava; tinha-a – era feliz!” Mesmo livre decidiu acompanhar Tancredo, porque não significava trocar “cativeiro por cativeiro”, e sim, trocar “escravidão por liberdade, por ampla liberdade!” (REIS, 1988, p. 37, 81). De forma que a autora reforça que a amizade e relação interpessoal entre etnias diferentes, branco e negro, é possível.

Apesar de jovem, Túlio discursa em conformidade com a razão, de forma sensata, quando reconhece que seu corpo pode ser escravizado, mas sua mente não. O escravo tem os seus pensamentos livres, no entanto, o corpo não. Ele geme e sofre.

Cadeia infame e rigorosa, a que chamam: – escravidão?!… E, entretanto este também era livre, livre como pássaro, como o ar; porque no seu país não se é escravo. Ele escuta a nênia plangente de seu pai, escuta a canção sentida que cai dos lábios da sua mãe, e sente como eles, que é livre; porque a razão lho diz, e a alma lho compreende. Oh! A mente! Isso sim ninguém a pode escravizar! Nas asas do pensamento o homem remonta-se aos ardentes sertões da África… E a realidade opressora lhe aparece – é escravo e escravo em terra estranha! Fogem-lhe os areais ardentes, as sombras projetadas pelas árvores, o oásis no deserto, a fonte e a tamareira – foge a tranquilidade da choupana, foge a doce ilusão de um momento, como ilha movediça; porque a alma está encerrada nas prisões do corpo! Ela chama-o para a realidade, chorando, e o seu choro, só Deus compreende! Ela não se pode dobrar, nem lhe pesam as cadeias da escravidão; porque é sempre livre, mas o corpo geme, e ela sofre, e chora; porque está ligada a ele na vida por laços estreitos e misteriosos (REIS, 1988, p. 35, 36).

Túlio é um personagem secundário na trama, mas de grande importância, pois foi o responsável pelo encontro de Tancredo e Úrsula e está diretamente ligado a eles na Trama, tornando-se amigo fiel e companheiro dos dois, a ponto de perder a vida. Também, foi o personagem responsável pelas vozes da escrava Susana e do escravo Antero, porque foi para ele que discursaram ideologicamente sobre a escravidão e trouxe a realidade da África.

Benjamin (1985) diz que narrar é intercambiar experiência, é uma troca dialógica em que um enriquece o outro. Em Úrsula, foi justamente Túlio, o outro, enriquecido pelas narrativas de uma velha escrava de Luísa B…, Suzana.

Trata-se de uma escrava que narra suas reminiscências e no seu romance, Firmina chama atenção para a brutalidade do processo de escravidão, através da voz e experiência de Suzana. De acordo com Benjamin (1987), o historiador precisa articular o passado, ou seja, apropriar-se das reminiscências, ao momento do perigo (presente), a fim de responder os questionamentos do momento.

E logo dois homens apareceram, e amarraram-me com cordas. Era uma prisioneira – era uma escrava! Foi embalde que supliquei em nome da minha filha, que me restituíssem a liberdade: os bárbaros sorriam-se das minhas lágrimas, e olhavam-me sem compaixão. Julguei enlouquecer, julguei morrer, mas não me foi possível… a sorte me reservava ainda longos combates. Quando me arrancaram daqueles lugares, onde tudo me ficava – pátria, esposo, mãe e filha, e liberdade! Meu Deus! O que se passou no fundo de minha alma, só vós o pudestes avaliar!… Meteram-me a mim e a mais trezentos companheiros de infortúnio e de cativeiro no estreito e infecto porão de um navio. Trinta dias de cruéis tormentos, e de falta absoluta de tudo quanto é mais necessário à vida passamos nessa sepultura até abordarmos as praias brasileiras. Para caber a mercadoria humana no porão fomos amarrados em pé e para que não houvesse receio de revolta, acorrentados como os animais ferozes das nossas matas, que se levam para recreio dos potentados da Europa. Davam-nos água imunda, podre e dada com mesquinhez, a comida má e ainda porca: vimos morrer ao nosso lado companheiros à falta de ar, de alimento e de água. É horrível lembrar que criaturas humanas tratem a seus semelhantes assim e que não lhes doa a consciência de levá-los à sepultura asfixiados e famintos! (Reis 1988, p. 82, 83).

A voz da escrava, que experimentou a liberdade/escravidão, assume um papel social e histórico. A narrativa de Suzana não se trata de um simples discurso ao Túlio, mas a representação de todo processo escravagista, desde que é arrancada de sua terra natal até o momento em que chega numa terra estranha e é tratada como objeto do homem branco para o trabalho.

A história se apropria das recordações do passado para preservar a memória e provocar reflexões no presente, enquanto a classe dominante se prevalece da memória fraca das pessoas para que sua ideologia permaneça.

A história é objeto de uma construção cujo lugar não é o tempo homogêneo e vazio, mas um tempo saturado de ‘agoras’. Assim, a Roma antiga era para Robespierre um passado carregado de ‘agoras’, que ele fez explodir do continuum da história. A Revolução Francesa se via como uma Roma ressurreta. Ela citava a Roma antiga como a moda cita um vestuário antigo. A moda tem faro para o atual, onde quer que ele esteja na folhagem do antigamente. Ela é um salto de tigre em direção ao passado. Somente ele se dá numa arena comandada pela classe dominante. O mesmo salto, sob o livre céu da história, é o salto dialético da Revolução, como o concebeu Marx (BENJAMIN, 1987, p. 229, 230).

Em Úrsula, quando o jovem negro perguntou “para que essas recordações?”, a escrava mostrou quão importante são as recordações. Ela respondeu que “não matam, meu filho. Se matassem, há muito que morrera, pois vivem comigo todas as horas.” (REIS, 1988, p. 82).

Benjamin (1987) assinala que o narrador relata suas experiências, incorporando à experiência da outra pessoa, tratando-se de uma forma artesanal, imprimindo a marca do narrador, que não está interessado em transmitir a coisa narrada como uma informação ou relatório. Através de suas experiências, a escrava Susana acreditava que a verdadeira liberdade só poderia acontecer na sua terra natal e não somente com a alforria, como Túlio acreditava ter.

Liberdade! Liberdade… ah! Eu a gozei na minha mocidade! – continuou Susana com amargura. – Túlio, meu filho, ninguém a gozou mais ampla, não houve mulher alguma mais ditosa do que eu. Tranquila no seio da felicidade, via despontar o sol rutilante e ardente do meu país, e louca de prazer a essa hora matinal, em que tudo aí respira amor, eu corria às descarnadas e arenosas praias, e aí com minhas jovens companheiras, brincando alegres, com o sorriso nos lábios, a paz no coração, divagávamos em busca das mil conchinhas, que bordam as brancas areias daquelas vastas praias… (REIS, 1988, p. 81).

Firmina também aborda, através de Suzana, outra ideia de liberdade, a morte. Quando oferecida a oportunidade de fuga antes de ser condenada a morte, Suzana recusou por ser inocente.

Outra inovação de Firmina é com respeito à caracterização. Freyre (1998) comenta sobre como as mulatas e negras eram vistas pelos homens naquela sociedade:

Provocação de mulatinhas e negras da casa se arredondando, em moças; de molecas criando peitos de mulher; e tudo fácil, ao alcance da mão mais indolente… Parece que as negras não ficavam velhas tão depressa, nos trópicos, como as brancas; aos quarenta anos dão a impressão de corresponder às famosas mulheres de trinta anos dos países frios e temperados. Uma preta quarentona é ainda uma mulher apenas querendo ficar madura; ainda capaz de tentações envolventes… O intercurso sexual de brancos dos melhores estoques – inclusive eclesiásticos, sem dúvida nenhuma, dos elementos, mas seletos e eugênicos na formação brasileira – com escravas, negras e mulatas foi formidável (FREYRE, 1998, p. 442).

A caracterização das negras era a exploração do lado sexual, enquanto Susana é descrita como reflexo de sua amargura e sofrimento. De acordo com Reis (1988, p. 80), a velha escrava usava “saia com grosseiro tecido de algodão preto, cuja orla chegava-lhe ao meio das pernas magras e descarnadas como todo o seu corpo” e na cabeça um lenço encarnado e amarelo, que mal tampava os cabelos brancos.

Outra caracterização que acontece em Úrsula é o da África sem nunca ter estado lá e, através da voz da escrava, envolve o leitor, a ponto de transportá-lo ao local e mostrá-lo que lá, na África, eles tinham uma vida comum – casavam, tinham filhos, eram felizes, desmistificando a ideia de uma sub-raça, conforme Mendes (2006).

Outra figura negra que aparece é do pai Antero. Apesar de pequena participação no romance não é tão grande quanto de Túlio e da escrava Susana, mas sua experiência é valiosa, pois através de suas recordações, resgata uma particularidade da cultura africana – as festas e a bebida.

Pois ouça-me, senhor conselheiro: na minha terra há um dia em cada semana que se dedica à festa do fetiche, e nesse dia, como não se trabalha, a gente diverte-se, brinca, e bebe. Oh! Lá então é vinho de palmeira mil vezes melhor que a cachaça, e ainda que tiquira (REIS, 1988, p. 143).

Conforme a autora Reis (1988, p. 141), “Antero era um escravo, que guardava a casa, e cujo maior defeito era a afeição que tinha a todas as bebidas alcoolizadas.” Mesmo em condição servil, o personagem revela o negro num aspecto diferente da escravidão, aparecendo como um escravo saudosista, que sente pela pátria perdida e lembra-se o quão feliz era, fazendo referência às festas e bebidas que tomava. Lamenta a vida como escravo e afirma que somente o vício da tiquira lhe permite suportar a escravidão.

A identidade cultural desse escravo não foi ignorada, mas suas lembranças resgatadas por permitir que conversasse com Túlio. Benjamim (1987, p. 225), assinala que “o processo de transmissão de cultura”, pode “escovar a história a contrapelo”, ou seja, por narrar as experiências vividas, pode levar o outro a refletir sobre pensamentos, ações e outros elementos que a classe dominante definiu como natural e lógico.

Através da voz do escravo Antero, Firmina aborda a questão do trabalho. Quando criticado por Túlio por fumar e beber, o velho escravo disse ser o único vício que tem e o conserva, até porque não prejudica ninguém. E acrescenta que quando vivia na África, “bebia muitas vezes, embriagava-me, e ninguém me lançava isso no rosto; porque para sustentar meu vício não me faltava meios. Trabalhava, e trabalhava muito, o dinheiro era meu, não o esmolei” (Reis, 1988, p. 143).

Firmina mostra que na África, os negros trabalhavam para se manterem e se divertiam nos dias de descanso. E através do trabalho podiam comprar produtos de boa qualidade, tendo assim uma vida tranquila e satisfatória, diferente da vida que levavam no Brasil, em que como escravo tinha o pior tratamento e lhe sobravam o pior de tudo.

Enfim, Maria Firmina dá, historicamente, visibilidade ao negro e as relações sociais entre eles e os seus senhores, compondo, assim, a realidade em que os escravos se encontravam, concedendo-lhes dignidade humana, sentimentos e memória. Eles passam a ser agente, sujeito de sua história.

3. Mulher no sistema patriarcal

Segundo Martin (1988), no século XIX, raros livros expunham a tirania do homem com respeito à mulher, como Reis descreveu. Schmidt (1999) comenta que em obras resgatadas de escritoras do passado, mesmo com dificuldade em instituir sua autoria, questionam e discutem aspectos relacionados a personagens femininas, provocando deslocamentos semânticos significativos do campo convencional e tradicional sob a ótica masculina. A ideia de autor no século XIX estava diretamente associada à identidade masculina, como pai da obra, e não mãe, e era ele que tinha direito a voz.

Tais deslocamentos abrem espaços de resistência, de não submissão dos textos à coerção ideológica dos scripts impostos pelo contexto histórico-social e pelos valores estéticos da época em que os mesmos foram produzidos (SCHMIDT, 1999, p. 37).

A representação das mulheres brancas em Úrsula é uma visão crítica do papel delas na sociedade patriarcal no século XIX. Mendonça (1999) expõe que enquanto o poder patriarcal se impunha sem contestações, essa nova perspectiva quanto à posição da mulher, considerada inferior, se instaurava imperceptivelmente livre de questionamento. Ainda de acordo com a autora, uma das características do Romantismo era a preparação de uma nova perspectiva de mudanças sociais, econômicas, que iriam influenciar as ideologias da época. E foi nesse período, século XIX, Maria Firmina dos Reis rompe com a ideologia da época e promove uma mudança de posturas, ou seja, surge uma nova relação identitária.

Reis (1988) mostra a personagem como a típica heroína romântica: tão caridosa; bela; olhos negros, formosos e melancólicos; tímida, ingênua e singela em todas as ações. A personagem é apresentada como sendo uma donzela frágil e desamparada é disputada pelo bom moço, Tancredo, e o vilão, seu tio Fernando P… De acordo com Mendes (2006), na tentativa de estar em sincronia com os padrões literários da época, Reis reproduz alguns Estereótipos femininos que atenda a perspectiva masculina.

Mendonça (1999) declara que as personagens femininas desestabilizaram a ordem patriarcal, fazendo, sob o ponto de vista imaginário, outras escolhas. Reis (1988) narra que a casa de Luísa B… e de Úrsula era diferente dos padrões da época, em que não havia um homem para assumir o comando: eram as duas e os escravos. Além disso, a casa era simples e modesta, porém agradável.

Simples e solitária era essa casa implantada sobre um pequeno outeiro, donde a vista dominava a imensidade dos campos. Um aspecto de nobre singeleza apresentava; pouca extensa era, mas coroava-a um agradável mirante, orlado de largas varandas, por onde uma onda de ar tépido divagava rumorejando (REIS, 1988, p. 29).

Conforme Mendes (2006), a casa da matriarca na narrativa é um espaço privilegiado, pois representa o lugar em que a mulher reina como soberana, detentora do poder. Na visão da autora, o casa também simboliza o refúgio, a proteção e o seio materno.

A obra fala de Luísa B…, mãe de Úrsula, levou uma vida de sofrimento com o irmão Fernando P… e depois com o marido e mãe de Tancredo que sofreu sob o jugo do marido opressor.

Tancredo comenta sobre sua mãe, que não tem o nome revelado, ser uma mulher santa e humilde, pois convivia com seu pai, Comendador P…, homem impiedoso e orgulhoso, que a magoava a ponto de chorar de infelicidade e desgosto. O personagem continua contando seu passado, mostrando o quanto o sistema patriarcal era forte, porque ele ficou afastado de sua mãe por seis anos para estudar direito e ela estava cheia de saudades. Ela sofria a sua ausência, “porque era vontade de seu esposo”, além de temê-lo e respeitá-lo, conforme Reis (1988, p. 49).

Nesse sentido, a mãe de Tancredo, submissa ao marido, é a representação do sistema patriarcal do século XIX. Mendes (2006) conta que Maria Firmina usa um homem, Tancredo, para denunciar e criticar a relação hierárquica entre homem e mulher naquela época, em que era natural o mundo ter comando masculino, demonstrando o desejo de igualdade de gêneros, uma vez que a mulher era vista como ser inferior.

Meu pai era o tirano de sua mulher; e ela, triste vítima, chorava em silêncio, e resignava-se com sublime brandura. Meu pai era para com ela um homem desapiedado e orgulhoso – minha mãe era uma santa e humilde mulher (REIS, 1988, p. 49).

Ainda no núcleo dramático de Tancredo, surge Adelaide, por quem se apaixonara quando retornou da faculdade de direito para casa e que o fizera sofrer de amor até encontrar Úrsula. A personagem Adelaide, bela e encantadora, era órfã de pai e mãe e foi acolhida pela mãe de Tancredo como uma filha. Comendador P… não aceitava a união dos dois, mas após muitas insistências, permitiu o casamento entre eles, desde que o filho esperasse um ano, trabalhando em outra província. Tancredo aceitou a proposta do pai: “Baixei os olhos, meditei por largo tempo, e submeti-me a sua vontade férrea. Saí do seu quarto prostrado de amargura, e porque a dor era funda em meu coração” (REIS, 1988, p. 58).

Quando retorna para casa, devido à morte de sua mãe e na tentativa de encontrar seu amor, Adelaide, é surpreendido com o casamento entre ela e seu pai.

Mulher infame! – disse-lhe – perjura… onde estão os teus votos? É assim que retribuíste a estremecida paixão que te rendi? É com um requinte de vil e vergonhosa traição que compensaste o ardente afeto da minha alma?… Monstro, demônio, mulher fementida, restitui-me minha pobre mãe, essa que também foi tua mãe, que agasalhou no seio a áspide que havia de mordê-la!… (REIS, 1988, p. 66).

Mendes (2006) explana que Adelaide representa a mulher do povo, que submete a tudo pela sobrevivência, aceitando determinadas práticas em prol da sobrevivência. Ela inicialmente é apresentada como uma pessoa sofredora e de repente reverte o jogo, ou seja, passa de agregada à amante. Adelaide, portanto, representa a imagem das diabas, sereias e medusas, simbolizando a luxúria.

Luísa B…, mãe de Úrsula, na trama é uma mulher paralítica, que sofre com o ódio do irmão, após contrariá-lo, uma vez que ele reprovava seu casamento.

Seu coração só se abriu uma vez, foi para o amor fraterno. Amou-me, amou-me muito; mas quando tive a infelicidade de incorrer no seu desagrado, todo esse amor tornou-se em ódio, implacável, terrível, e vingativo. Meu irmão jamais me poderá perdoar… Amou-me na infância com tanto extremo e carinho que o enobreciam aos olhos de meus pais, que o adoravam, e depois que ambos caíram no sepulcro, ele continuou a sua fraternal ternura para comigo. Mais tarde, um amor irresistível levou a desposar um homem que meu irmão no seu orgulho julgou inferior a nós pelo nascimento e pela fortuna. Chamava-se Paulo B… (REIS, 1988, p. 73, 74).

O ódio de Fernando P… surgiu com o casamento de Luísa B… com Paulo B…, porque julgava o cunhado de nível inferior a sua irmã. Uma transgressão de valores na época, em que se uma mulher cria um conflito com o detentor do poder no sistema patriarcal da época.

Paulo B… não compreendeu a grandeza do amor de Luísa B…, e ela cumulou desgostos e aflições, pois seu esposo desrespeitava seus deveres conjugais, gastando sua fortuna com amantes. Seu marido foi assassinado e, meses depois, ela ficou paralítica e com muitas dívidas, que foi comprada por seu irmão, deixando-as no infortúnio. A sua alegria, no casamento, foi a sua filha Úrsula.

Com a morte de Luísa B…, Tancredo a leva para o convento, como proteção de Fernando P…, que tenta de todas as formas possíveis tomar sua sobrinha em casamento.

Pouco antes do casamento entre os dois protagonistas, Tancredo e Úrsula, Túlio é capturado, mas consegue escapar do cativeiro. Túlio é morto antes de avisar ao amigo da perseguição de Fernando P…, de forma que o tio de Úrsula encontra o casal feliz por ter sua amada como esposa e mata Tancredo antes de consumar o matrimônio. Úrsula fica louca até a morte. Mendes (2006) aponta que Úrsula sofre duplo martírio, um grande sofrimento, perda do esposo e da razão, ao amar Tancredo e sofrer com os assédios do tio e as consequências disso: Seu amado assassinado pelo tio antes da consumação do matrimônio.

Novamente, Reis (1988) reforça, de modo crítico, o poderio do homem naquela sociedade. Tanto o Comendador P… como o Fernando P… são representações do machismo da época. Segundo Mendes (2006), eles simbolizam a encarnação do mal, o vilão que destruiu a vida de várias pessoas para alcançar os seus objetivos, assumindo assim o papel de antagonista.

Considerações finais

Esse artigo permitiu uma análise do romance Úrsula, que possibilita conhecer a história, não nas vozes dos dominantes, mas nas dos excluídos, como mulheres e negros, mas com perspectivas diferentes dos demais escritores de sua época.

Maria Firmina dos Reis, como mulher e afrodescendente, foi uma escritora, que, por muito tempo, teve suas obras esquecidas, sendo reconhecida após sua morte, como a primeira escritora brasileira, quando um pesquisador encontra um único exemplar do livro Úrsula, que é considerado o primeiro romance abolicionista na literatura brasileira. O resgate dessa produção literária, ao ser escrita por uma mulher, e que assumiu uma posição inferiorizada, pois diante do domínio literário masculino, traz à tona uma nova história que permite rediscutir conceitos sobre negros e mulheres no século XIX.

Referências bibliográficas

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nicolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987. (Obras escolhidas; v. 1).

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987. (Obras escolhidas; v. 1).

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: Record, 1998.

LIMA, Omar da Silva. O comprometimento etnográfico afrodescendente das escritoras negras Conceição Evaristo & GeniGuimarães. Tese de Doutorado em Literatura. UnB – Universidade de Brasília – DF. 2009. Disponível em

<http://repositorio.bce.unb.br/handle/10482/4137> Acesso em 03/12/2012.

MARTIN, Charles. Introdução.In:REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. Rio de Janeiro: Presença Edições; Brasília, INL. Coleção coordenada por Luiza Lobo. 1988.

MENDES, Algemira Macêdo. Maria Firmina dos Reis e Amélia Beviláqua na história da literatura brasileira: Representação, imagens e memórias nos século XIX e XX. Tese de Doutorado em Teoria da Literatura. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do SuL – RS. 2006. Disponível em <http://www.academicoo.com> Acesso em 06/11/2012.

MENDONÇA, Maria Helena. A literatura de autoria feminina: (re)cortes de uma trajetória. In: Literatura e feminismo – Propostas teóricas e reflexões críticas. Org. Christina Ramalho, Angélica Soares e Luiza Lobo. Rio de Janeiro: Elo, 1999.

SCHMIDT, Rita Therezinha. Recortes de uma história: a construção de um fazer/saber. In: Literatura e feminismo – Propostas teóricas e reflexões críticas. Org. Christina Ramalho, Angélica Soares e Luiza Lobo. Rio de Janeiro: Elo, 1999.

1 Jose Geraldo da Rocha é Doutor em Teologia Sistemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Adjunto Doutor no Programa de Pós Graduação em Letras e Ciências Humanas da Unigranrio; Bolsista de Produtividade em Pesquisa 1A Funadesp/Unigranrio; Líder do Grupo de Pesquisa Relações Raciais, Desigualdades Sociais e Educação do CNPq.  Ativista nas lutas dos movimentos sociais. Como humanista prioriza as questões relacionadas às relações etnicorraciais, diversidade cultural, religiosidades numa perspectiva de promoção da igualdade de oportunidades.

2 Patricia Luisa Nogueira Rangel é mestranda em Letras e Ciências Humanas pela UNIGRANRIO, desenvolvendo dissertação na Linha de Pesquisa – Gênero, Etnia e Identidade, com foco no estudo da Cultura Brasileira, em especial, sobre o movimento funk na Baixada Fluminense. Formada em Português/ Grego e respectivas literaturas pela UERJ. Pós-graduada (lato sensu) em Língua Latina pela UERJ e Gestão e Coordenação Pedagógica pela AVM. 



Voltar ao topo