ESCRITORES



Os homens e outras mentiras





Autor: Cristina Ferreira Pinto-Bailey
Título: Os homens e outras mentiras
Idiomas: Port
Tradutor: –
Data: 11/02/2011

De: Cristina Ferreira-Pinto Bailey Os homens e outras mentiras. São Paulo: Scortecci/REBRA, 2010.

amanhã

volto pra casa

e me decodifico

recodifico

reclassifico

esse desejo

restrinjo

o restrito

redistrito

redirijo

o pensamento

o corpo

as hábeis mãos

sentido

signo

significo

reassigno

meu papel

meu porém

meu poder.

amanhã

mãe

estrela do lar

esposa dedicada

profissional competente

no batente

na manhã

sem desejo.

?

Meu filho

Meu filho entrou pela porta

do ônibus

pela porta, porte

de semideus

do alto de sua glória

e quase dois metros de altura.

Meu filho entrou no ônibus

sentou-se sereno, sério

não sorridente como pedia este verso

saudável santo, cabelos de anjo

meu filho em seus vinte anos

corpo de homem

perfil perfeito, penugem

leve na perna de caçador.

Meu filho sentou

no banco do ônibus,

belo estudante

no final da tarde distraída.

Onde estava, para onde ia?

Onde estivera que só agora eu o via?

?

Litania da louca

É puta

É vagabunda

É vaca.

É vaga, voille

vaga onda

vaga viga

nela me escoro

me espalho

viajo.

Vou

na roda da vida

roda viva

viva vaga

chaga.

Reinicio

à volta da chave

recomeço

a litania

minha oração matinal

acendo velas

vagas, difusas

incenso m’envolve

envolvo a manhã

dos prédios

na minha litania

e se há sol

tanto melhor

vaga

vaca

vagabunda.

Os prédios escutam

mas não solenes

-insolentes-

junto com o sol se riem

sorriem sem disfarces

vagos esgares

na manhã já plena

enquanto repito

a litania

sobe, desce

vaga, onda do mar

eu sobrevivente

eu náufraga

vaga

vagabunda

puta louca

reinicio

a ciranda

minha oração

matinal.

?



Voltar ao topo