Revista Mulheres e Literatura – vol.15 – 2º Semestre - 2015



CIDINHA, DE PROFESSORA A PROSTITUTA: PERFORMANCES NO CONTO A LÍNGUA DO “P”, DE CLARICE LISPECTOR – Lílian Lima Gonçalves dos Prazeres e Adelia Miglievich-Ribeiro





Adelia Miglievich-Ribeiro

Universidade Federal do Espírito Santo

 

Lílian Lima Gonçalves dos Prazeres

Universidade Federal do Espírito Santo

 

 

RESUMO

 

Este artigo, ao examinar a literatura de Clarice Lispector, elege o debate sobre as relações de gênero e os sujeitos femininos a fim de identificar na narrativa e nos personagens clariceanos o mote crítico para pensar as identidades transitórias e as performances de gênero em detrimento de um discurso moderno que impôs identidades monolíticas e acabadas. Analisa a personagem Cidinha, protagonista do conto A Língua do “P”, do livro A via crucis do corpo (1991), no diálogo com o pós-estruturalismo e o pós-colonial, a fim de pensar “entre lugares” e hibridez, observa os fluxos de identidades, a sexualidade e a subalternidade, transgressão e deslocamentos, que permeiam a história da professora e viajante performática.

 

 

Palavras-chave: Clarice Lispector. Relações de gênero. Identidades transitórias. Performances.

 

 

RESÚMEN

 

En este artículo, al examinar la literatura de Clarice Lispector, elige el debate sobre las relaciones de género y los sujetos femeninos para identificar en la narrativa y en  los personajes clariceanos el lema crítico para pensar las identidades transitorias y performances de género en detrimento del discurso moderno que impuso identidades monolíticas y acabadas. Analisa el personaje llamada Cidinha, protagonista del cuento A Língua do “P”, presente en  el libro A via crucis do corpo (1991), por medio del diálogo con el postestructuralismo y el postcolonial, para pensar “entre lugares” y hibridez, observa los flujos de identidades, la sexualidad y la subordinación, la transgresión y desplazamientos, que impregnan la historia de la professora y viajante performática.

 

 

Palabras-clave: Clarice Lispector. Relaciones de género. Identidades transitorias. Performances.

 

 

ABSTRACT

 

This article chooses the debate on gender relations and female subjects in Clarice Lispector’s Literature and it has as main aim identify within narrative and Clarice’s characters the critic motto to think over temporary  identities and performance of gender in detriment of a modern discourse which imposes monolythics and finished identities. It analyzes Cidinha, main character of the tale The Language of “P”, from the book The via crucis of the body (1991), in dialogue with the post-structuralist movement and post-colonial critic, for the purpose of thinking “in-between  places” and hibridity, observe stream of identities, the sexuality and the subordination, transgression and displacements, which  permeate the story of the performer teacher and  traveler.

 

 

Key-words: Clarice Lispector. Gender relations. Temporary Identities. Performances.

 

 

CIDINHA, DE PROFESSORA A  PROSTITUTA: PERFORMANCES NO CONTO A LÍNGUA DO “P”, DE CLARICE LISPECTOR

 

 

Adelia Miglievich-Ribeiro

Universidade Federal do Espírito Santo

 

Lílian Lima Gonçalves dos Prazeres

Universidade Federal do Espírito Santo

 

 

Um conto de Clarice Lispector, presente no livro A via crucis do corpo, possibilita-nos identificar o fluxo de identidades na personagem que o protagoniza, bem como o poder da performance na (des)construção da personagem. Trata-se do conto A língua do “P”. O livro que o guarda é composto por 13 narrativas, mais uma explicação, através da qual a autora justifica a produção da obra.

Esta foi, das obras de Clarice Lispector, a que sofreu mais críticas, à época, dado o teor erótico das narrativas. Abarca um período de sua escrita literária entendido por alguns como de adesão ao “mau gosto”, à literatura ao rés do chão, conforme nos mostra Cunha (2012). A própria Clarice Lispector (1991), na Explicação, pontapé inicial da obra revela a postura dos refratários à sua obra: “Uma pessoa leu meus contos e disse que aquilo não era literatura, era lixo. Concordo. Mas há hora para tudo. Há também a hora do lixo” (LISPECTOR, 1991, p. 20). O trecho citado marca ainda a consciência que a escritora tem da complexidade de seu texto, mas também de sua importância no cenário literário brasileiro.

 

Do ‘lixo’ Clarice retira as fantasias eróticas que alimentam os sonhos incomunicáveis de seres criados à sombra das repressões; do ‘mundo cão’ ela colhe os fantasmas sexuais que assombram as consciências quando assaltadas repentina e inesperadamente pelos desejos mais recalcados, transformando a vida das pessoas em verdadeiras correntes cujas argolas podem, a qualquer momento, se romper, dada fragilidade da resistência, frente aos apelos sedutores de uma carne que reclama prazer e liberdade (LUCCHESI, 1991, p. 8).

 

É desde um contexto que inibe a sexualidade feminina, que delimita padrões de comportamentos que Clarice Lispector age de modo subversivo, trazendo à tona os desejos, as carências e as experiências femininas invisibilizadas por trás do véu do pudor e tabu social. Ao conto A língua do “P” nos dedicaremos a partir das próximas linhas.

O conto A língua do “P” conta a história de Maria Aparecida, apelidada de Cidinha. Uma professora que vivia em Minas Gerais, segundo o narrador. Tratava-se de uma moça remediada, não era rica, mas tampouco era pobre. O foco narrativo na terceira pessoa vem recheado de fluxos de consciência, o que permite que os pensamentos dos personagens cheguem ao leitor. A personagem empreende uma viagem para o Rio de Janeiro, ponto de partida para outra viagem maior, pois de lá iria para Nova Iorque, com o intuito de aperfeiçoar o inglês. A viagem de trem que a leva para o Rio muda o seu destino a partir do encontro e da tradução da língua do p. O vagão em que se instalou a professora estava vazio, só tinha uma velhinha, até que:

 

Na próxima estação subiram dois homens que se sentaram no banco em frente ao banco de Cidinha. O trem em marcha. Um homem era alto, magro, de bigodinho e olhar frio, o outro era baixo, barrigudo e careca. Eles olharam para Cidinha. Esta desviou o olhar, olhou pela janela do trem (LISPECTOR, 1991, p. 87).

 

A atenção dos homens logo se voltou para Cidinha, jovem, bonita. A moça também notou que estava sendo olhada e, portanto, que era alvo do desejo daqueles homens. Esta situação modificou o ambiente do vagão e fez com que a jovem refletisse sobre sua condição:

 

Havia um mal-estar no vagão. Como se fizesse calor demais. A moça inquieta. Os homens em alerta. Meu Deus, pensou a moça, o que é que eles querem de mim? Não tinha resposta. E ainda por cima era virgem. Por que, mas por que pensara na própria virgindade? (LISPECTOR, 1991, p. 88).

 

Apresentando-se numa condição de fragilidade, o sujeito subalterno feminino que é Cidinha pensou logo no próprio corpo e no signo de sua pureza diante da sociedade de cunho patriarcal, a sua virgindade. Observamos, nesse contexto, o reflexo do controle da sexualidade, neste caso, feminina; a fim de criar o corpo disciplinado de que nos fala Foucault (2008). A importância dada pela sociedade para a preservação da virgindade feminina, condição sine qua non para definir a mulher honrada, digna do respeito social, expressava um comportamento geral de controle do corpo feminino.

Com a entrada dos homens no trem, Maria Aparecida sentiu-se ameaçada em seu íntimo. Para completar, os homens falavam de modo estranho, mas que lhe soara familiar, embora não lembrasse ao certo. Até que “de repente percebeu: eles falavam com perfeição a língua do ‘p’” (LISPECTOR, 1991, p. 88). Este conto apresenta-nos traços de crueldade justamente por ter uma brincadeira infantil introduzida na obra, fazendo com que uma invenção inocente de crianças, do seu mundo secreto de aventuras, passasse a servir para a realização de atos perversos pelos adultos. Conhecer a língua que partia de seu opressor fez com que Cidinha pudesse pensar em alternativas para fugir de sua condição subalterna. Eles falavam assim: “– Vopocêpê reperaparopoupu napa mopoçapa boponipitapa? – Jápá vipi tupudopo. Épé linpindapa. Espestapa nopo papapopo. Queriam dizer: você reparou na moça bonita? Já vi tudo. Está no papo” (LISPECTOR, 1991, p. 88). Apesar de compreender o que os rapazes diziam, a personagem sabiamente finge nada entender e monitorando a conversa deles descobre as suas verdadeiras intenções:

 

–  Queperopo cupurrapar apa mopoçapa. Epe vopocepê?

–  Tampambempem. Vapaipi serper nopo tupunepel.

Queriam dizer que iam currá-la no túnel… o que fazer? Cidinha não sabia e tremia de medo. Ela mal se conhecia […].

Se resistisse podiam matá-la. Era assim então […].

Matá-la com um punhal. E podiam roubá-la (LISPECTOR, 1991, p. 89).

 

O que fazer diante de tal situação? Cidinha, temendo a real possibilidade do estupro, pensou também em falar que não era rica, apesar de parecer. No entanto, tinha consciência de que qualquer atitude sua poderia antecipar o seu próprio fim. A solução veio através da urgência:

 

Então pensou: se eu me fingir de prostituta, eles desistem, não gostam de vagabunda.

Então levantou a saia, fez trejeitos sensuais – nem sabia que sabia fazê-los, tão desconhecida ela era de si mesma – abriu os botões do decote, deixou os seios meio à mostra. Os homens de súbito espantados.

(…)

Está doida, queriam dizer (LISPECTOR, 1991, p. 89).

 

Maria Aparecida encontrou uma saída para seu problema através da performance, ou seja, por meio de sua transformação de moça recatada em prostituta, sedutora e dona de sua sexualidade. Pouco a pouco essa nova identificação foi sendo descortinada dentro dela. Havia a professora e a prostituta na mesma mulher.

Ao trazermos para a análise a questão da performance, lembramo-nos da pós-estruturalista feminista de Judith Butler (1998) quando postula a teoria da performatividade aplicada à conceituação do gênero. De acordo com a estudiosa, é o discurso que acaba por formatar o nosso corpo, assim como as identidades. Haveria uma reiteração constante entre gênero e corpo que acaba por desencadear atos performativos que, por sua vez, reiteram de um conjunto de normas.

 

Hacer, dramatizar, reproduzir, parecen ser algunas de las estructuras elementales de la corporeización. Este ir haciendo el género no es meramente, para los agentes corporeizados, uma manera de ser exteriores, a flor de piel, abiertos a la percepción de los demás. La corporeización manifiesta claramente un conjunto de estratégias, o lo que Sartre hubiera tal vez llamado um estilo de ser, o Foucault “uma estilística de la existencia”  (BUTLER, 1998, p. 300).

 

Através do ato performático é que a prostituta Cidinha vai ganhando corpo em detrimento da professora Maria Aparecida:

 

E ela a se requebrar que nem sambista de morro. Tirou da bolsa o batom e pintou-se exageradamente. E começou a cantarolar.

Então os homens começaram a rir dela. Achavam graça na doideira de Cidinha. Esta desesperada. E o túnel? (LISPECTOR, 1991, P. 89).

 

Percebendo a reação de estranhamento, depois de “gozação” da parte dos homens, a personagem vai intensificando sua dramatização ou, podemos também dizer, embasados em Stuart Hall (2014)[i], que trouxe à tona uma de suas múltiplas identidades, nenhuma essencial ou verdadeira em oposição à falsa, mas todas performáticas e apenas situacionalmente encobertas ou reveladas, elementos fluidos de identidades que se constituem mutuamente indefinidamente. Afinal, o autor supracitado explicita que o sujeito, compreendido anteriormente como portador de uma identidade única e estável, está se fragmentando, ou seja, tal sujeito passa a compor-se de identidades que podem ser inclusive contraditórias e não resolvidas. Hall (2014), chama a nossa atenção para o surgimento do sujeito pós-moderno, aquele que não possui identidade fixa, essencial ou permanente, ao contrário disso, ele (o sujeito) passa por um processo de formação e transformação de acordo com os sistemas culturais a sua volta. Nesse sentido, as sociedades que compõem o que o autor chamou de modernidade tardia acabam produzindo várias “posições do sujeito” ou “identificações”, através delas é que poderemos obter uma melhor explicação a respeito das identidades na pós-modernidade.

Cidinha toma para si o protagonismo de sua sexualidade e do seu corpo, que foge ao estereótipo da disciplina. Desse modo, ao tomar posse do falo, do desejo, a personagem inverte a colonialidade do poder (QUIJANO, 2013), desestabiliza os sujeitos à sua volta, haja vista que não esperavam tal atitude dela e, por isso, chamaram-na de louca.

Cabe, neste momento uma reflexão sobre o conceito de colonialidade exposto. O colonialismo, enquanto sistema de conquista, aculturação e dominação de povos e espaços, pode ter acabado, porém, a colonialidade continua presente no dia-a-dia do cidadão contemporâneo. Disto fala o sociólogo peruano Aníbal Quijano (2013, p. 1) ao propor sua reflexão sobre a colonialidade do poder, do saber e do ser. Para o autor, “a colonialidade é um dos elementos constitutivos e específicos do padrão mundial de poder capitalista”, que incorpora ainda critérios de base racial/étnica, que teve como berço e se divulgou a partir das Américas. Ao aprofundar a ideia de diferenciação (hierarquização), relacionando-a ao universo do trabalho, à raça e ao gênero, o capitalismo consolidou um método eficaz de manutenção de seu poder mediante o papel central exercido pela colonialidade. Assim, podemos compreender como faz Maldonado-Torres (2013), que a “[…] ‘colonialidade do poder’ é um modelo de poder especificamente moderno que interliga a formação racial, o controle do trabalho, o Estado e a produção do conhecimento” (p. 29). Novamente, nas palavras de Quijano:

 

(…) o poder, nesta perspectiva, é uma malha de relações de exploração/dominação/conflito que se configuram entre as pessoas na disputa pelo controle do trabalho, da “natureza”, do sexo, da subjetividade e da autoridade. Portanto, o poder não se reduz às “relações de produção”, nem à “ordem e autoridade”, separadas ou juntas. E a classificação social refere-se aos lugares e aos papéis das gentes no controle do trabalho dos seus recursos (incluindo os da “natureza”) e seus produtos; do sexo e seus produtos; da subjetividade e dos seus produtos (antes de tudo o imaginário e o conhecimento); e da autoridade, dos recursos e dos seus produtos (QUIJANO, 2013, p. 46).

 

Assim como as relações de poder, o campo epistemológico ganha contornos de colonialidade, fazendo com que a produção do conhecimento seja favorável à manutenção do status quo, daí a hierarquização entre ciência e senso comum cujos efeitos se dão na criação e manutenção de relações sociais desiguais, já que aquele que tem seu saber subestimado também é ele próprio (pessoa, comunidade) rebaixado. Maldonado-Torres (2013, p.32) revela, então, que “a relação entre poder e conhecimento conduziu ao conceito de ser”.

 

Este ser-colonizado emerge quando poder e pensamento se tornam mecanismos de exclusão (…). É verdade que o ser-colonizado não resulta do trabalho de um determinado autor ou filósofo, mas é antes o produto da modernidade/colonialidade na sua íntima relação com a colonialidade do poder, com a colonialidade do saber e com a própria colonialidade do ser (MALDONADO-TORRES, 2013, p. 32).

 

No hibridismo que desloca as tradições, Maria Aparecida pede socorro à Virgem Maria que lhe dá o nome, fazendo menção à religião, símbolo do controle da sexualidade feminina, para conseguir uma saída para seu desespero. A saída vem pela desinibição no uso do corpo que a liberta da fantasia da castração, de maneira que, como propõe Magali Mendes (2014), inspirada em Derrida (2014), tem-se a produção de subjetividades ilimitadas que ultrapassam os papéis sexuais dicotômicos: “Desse modo, falar de uma différence é falar de algo que não nasce da dualidade, mas que irrompe com um determinismo ontológico, com armaduras que possam, desse modo, fixar papéis” (MENDES, 2014, p. 2-3).

Ao analisar a mulher na obra de Nietzsche, Derrida (2014) observa três condições: a primeira se refere à mulher condenada, humilhada, entendida como potência de mentira; já na segunda, a condição de condenada persiste, mas agora a mulher ganha ares de verdade. Enquanto na terceira condição, que supomos mais próxima da performática Cidinha, pode-se dizer que:

 

La mujer es reconocida, más allá de esta doble negación, afirmada como potencia afirmativa, disimuladora, artista, dionisíaca. No es que sea afirmada por el hombre, sino que se afirma ella misma, en ella misma y en el hombre.

En el sentido que decía antes, la castración no tiene lugar. El anti–feminismo es a su vez invertido. Condenaba a la mujer sólo en la medida en que se encontraba y respondía al hombre desde las dos posiciones reactivas (DERRIDA, 2014, p. 56).

 

Através da mímica, Cidinha consegue desviar a atenção dos homens que ali estavam, provocando-os no processo de “(…) se-dar-para desarticular as fronteiras, promovendo para cada termo a desapropriação de uma identidade definida” (CONTINENTINO, 2002, p. 84). É também o que nos diz Bhabha:

 

(…) a visibilidade da mímica é sempre produzida no lugar da interdição. É uma forma de discurso colonial que é proferido inter dicta: um discurso na encruzilhada entre o que é conhecido e permitido e o que, embora conhecido, deve ser mantido oculto, um discurso proferido nas entrelinhas e, como tal, tanto contra as regras quanto dentro delas (BHABHA, 2013, p. 152).

 

Assim, ela, sujeito subalterno[ii] (SPIVAK, 2010)  que era, ocupante de uma posição inferior em relação ao sexo masculino assume uma postura protagonista, o que provoca estranhamento nos homens, que também perdem sua identidade pré-definida, já que não esperam uma atitude dessas por parte da moça do vagão. A relação dominador-dominado é desestabilizada.  Mas, não só os que os potenciais estupradores que pretendiam currá-la são afetados por sua ação, de pronto as autoridades do trem apareceram e a mulher é recriminada:

 

Apareceu o bilheteiro. Viu tudo. Não disse nada. Mas foi ao maquinista e contou. Este disse:

–  Vamos dar um jeito, vou entregar ela pra polícia na primeira estação.

E a próxima estação veio.

O maquinista desceu, falou com um soldado por nome José Lindalvo. José Lindalvo não era de brincadeira. Subiu no vagão, viu Cidinha, agarrou-a com brutalidade pelo braço, segurou como pôde as três maletas, e ambos desceram (LISPECTOR, 1991, p. 90).

 

A polícia aparece como elemento repressor, é um dos agentes da cerca apresentada por Foucault (2008) e tem por objetivo manter a disciplina. No caso de Cidinha, sua atitude fez com que ela fugisse à regra, destoando do estereótipo do corpo dócil. A repressão demonstra o receio social em torno dessa mulher e lembramos mais uma vez de Bhabha (2013) que nos fala do medo que o colonizador também tem do sujeito colonizado.

A imagem da prostituta, apesar de presença comum em todas as cidades, é indesejada porque incômoda, a sexualidade não dissimulada, não reprimida gera constrangimentos e reprimendas: “Na pequena estação pintada de azul e rosa estava uma jovem com uma maleta. Olhou para Cidinha com desprezo. Subiu no trem e este partiu” (LISPECTOR, 1991, p. 90). Assim como a mulher de burca, no contexto argelino descrito por Bhabha (2013) –  ao tratar da obra de Fanon –  precisa ser vigiada, a mulher que se traveste de prostituta e ousa mostrar-se assim num espaço público também. Maria Aparecida, enquanto prostituta, conseguiu ameaçar aqueles dois homens e os funcionários do trem, imaginemos o que faria ela se descobrisse a força quem têm? Ela é o sujeito colonizado que ainda não descobriu totalmente a sua força perante o colonizador, não conseguiu perceber o medo que este tem de que aquele sujeito se rebele. Nesse contexto, o olho da vigilância recai sobre ela:

 

Cidinha não sabia como se explicar ao polícia. A língua do “p” não tinha explicação. Foi levada ao xadrez e lá fichada. Chamaram-na dos piores nomes. E ficou na cela por três dias. Deixavam-na fumar. Fumava como uma louca, tragando, pisando o cigarro no chão de cimento. Tinha uma barata gorda se arrastando no chão (LISPECTOR, 1991, p. 90).

 

A personagem livrou-se de um destino cruel que consistiria na violação de seu corpo, no entanto, teve de experimentar a reclusão e as ofensas. Na cadeia, passou por um processo de transformação, reassumia a identidade anterior: “(…) Tinha lavado a cara, não era mais prostituta” (LISPECTOR, 1991, p. 90). Quando pôde sair da cadeia, pegou um novo trem para o Rio de Janeiro. Neste momento, um pensamento a preocupava: “(…) quando os dois haviam falado em currá-la, tinha tido vontade de ser currada. Era uma descarada. Epe sopupu upumapa puputapa. Era o que descobrira. Cabisbaixa” (LISPECTOR, 1991, p. 90). Cidinha percebeu que não existia somente uma identidade dentro de Maria Aparecida, a virgem, professora, recatada, com ares de rica, podia conviver com a mulher ousada, dona de sua sexualidade, representada pela prostituta. No entanto, o peso moral ainda a deixa cabisbaixa.

Mal tinha se dado conta do grande perigo de que se livrara, justamente por fazer uso de uma imagem marginalizada. Ela se deu conta, por acaso, vagando por Copacabana, lamentando a sua “desgraça”.

 

Pois foi na esquina da rua Figueiredo Magalhães que viu a banca de jornal. E pendurado ali o jornal O Dia. Não saberia dizer por que comprou.

Em manchete negra estava escrito: “Moça currada e assassinada no trem”.

Tremeu toda. Acontecera, então. E com a moça que a desprezara (LISPECTOR, 1991, p. 91).

 

Cidinha sentiu-se mal, sequer quis saber os detalhes do acontecido. Fora salva por pouco: sua destreza, o conhecimento da língua do “p” e a performance. Mal sabia a jovem que a olhou com desprezo na estação, que a reprimiu, que o destino lhe seria “implacável” e que aquela viagem acabaria mal.

Entretanto, para Maria Aparecida o saldo foi positivo. Ela deu lugar às múltiplas identidades dentro dela, descobriu que poderia ser agente de sua história, de seu corpo e de sua sexualidade. Fez uso dos artifícios e da força que o colonizado tem diante de seu opressor, revelando que a passividade não é característica inerente e definitiva do sujeito subalterno. Ela agiu, de modo a ser vista, garantindo a sua sobrevivência e existência no mundo.

 

 

REFERÊNCIAS

 

 

BHABHA, Homi K. O local da cultura. 2ª ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

 

BUTLER, Judith. Actos performativos y constitución de género: un ensayo sobre fenomenología y teoría feminista. Debate Feminista, 1998, pp. 296-314. Disponível em: www.debatefeminista.com. Acesso em: julho de 2014.

 

CONTINENTINO, Ana Maria Amado. Derrida e a diferença sexual para além do masculino e feminino. In: DUQUE-ESTRADA, Paulo Cesar (org.). Às margens: a propósito Derrida. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2002.

 

CUNHA, Betina Ribeiro Rodrigues da (org.). Clarice: olhares oblíquos, retratos plurais. Uberlândia: EDUFU, 2012.

 

DERRIDA, Jacques. Espolones los estilos de Nietzsche. Disponível em: www.uruguaypiensa.org.uy Acesso: agosto/2014.

 

ESCOSTEGUY, Ana. Os Estudos Culturais. Disponível em: PUC/RS. Acesso: 07/06/2015.

 

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 35ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

 

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

 

LISPECTOR, Clarice. A via crucis do corpo. 4ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

 

LUCCHESI, IVO. A paixão do corpo entre os fantasmas e as fantasias do desejo. In: LISPECTOR, Clarice. A via crucis do corpo. 4ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

 

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, Império e Colonialidade. In: SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul (livro eletrônico). São Paulo: Cortez, 2013.

 

MENDES, Magali. Um texto no Feminino atravessado pela Diferença: uma leitura de Nietzsche através de Derrida. Disponível em:  ASAFTI. Acesso em: agosto/2014.

 

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul (livro eletrônico). São Paulo: Cortez, 2013.

 

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

[i] Stuart Hall é  um dos expoentes dos Estudos Culturais. Esta consiste numa área de estudos em que diferentes disciplinas interatuam e tem como objetivo o estudo dos aspectos culturais da sociedade. Seu surgimento, mais organizado, situa-se, segundo Ana Escosteguy (2015), no final da década de 1950, vinculada ao Centre for Contemporary Cultural Studies (CCCS). Para saber mais sobre o tema consultar clique aqui.

 

[ii] Um estudo importante para pensarmos a noção de sujeito subalterno é a produção de Gayatri Chakravorty Spivak. Em Pode o subalterno falar? (2010), a autora reflete sobre a representação do ser colonizado, identificado por ela como subalterno. Esse sujeito colonial é identificado como um ser sem voz ativa, pois geralmente são os intelectuais que falam por eles e são quem os constituem como o outro. Spivak (2010) chama especial atenção para a condição da mulher em meio a essas relações de subalternidade, que além de estar submetida ao sistema, vive sob a égide do sujeito masculino, subalterno ou não.



Voltar ao topo