RECORDAÇÕES DO ESCRIV?O ISA?AS CAMINHA


Autor: Lima Barreto
Título: RECORDA??ES DO ESCRIV?O ISA?AS CAMINHA
Idiomas: port
Tradutor:
Data: 06/06/2005

RECORDA??ES DO ESCRIV?O ISA?AS CAMINHA

 
 
 

I

 
 
 

Lima Barreto

 
 
A tristeza, a compreens?o e a desigualdade de n?vel mental do meu meio familiar, agiram sobre mim de modo curioso: deram-me anseios de intelig?ncia. Meu pai, que era fortemente inteligente e ilustrado, em come?o, na minha primeira inf?ncia, estimulou-me pela obscuridade de suas exorta??es. Eu n?o tinha ainda entrado para o col?gio, quando uma vez me disse: Voc? sabe que nasceu quando Napole?o ganhou a batalha de Marengo? Arregalei os olhos e perguntei: quem era Napole?o? Um grande homem, um grande general… E n?o disse mais nada. Encostou-se ? cadeira e continuou a ler o livro. Afastei-me sem entrar na significa??o de suas palavras; contudo, a entona??o de voz, o gesto e o olhar ficaram-me eternamente. Um grande homem!…
O espet?culo do saber de meu pai, real?ado pela ignor?ncia de minha m?e e de outros parentes dela, surgiu aos meus olhos de crian?a, como um deslumbramento.
Pareceu-me ent?o que aquela sua faculdade de explicar tudo, aquele seu desembara?o de linguagem, a sua capacidade de ler l?nguas diversas e compreend?-las constitu?am, n?o s? uma raz?o de ser de felicidade, de abund?ncia e riqueza, mas tamb?m um t?tulo para o superior respeito dos homens e para a superior considera??o de toda a gente.
Sabendo, fic?vamos de alguma maneira sagrados, deificados… Se minha m?e me parecia triste e humilde ? pensava eu naquele tempo ? era porque n?o sabia, como meu pai, dizer os nomes das estrelas do c?u e explicar a natureza da chuva…
Foi com estes sentimentos que entrei para o curso prim?rio. Dediquei-me a?odadamente ao estudo. Brilhei, e com o tempo foram-se desdobrando as minhas primitivas no??es sobre o saber.
Acentuaram-se-me tend?ncias; pus-me a colimar gl?rias extraordin?rias, sem lhes avaliar ao certo a significa??o e a utilidade. Houve na minha alma um tumultuar de desejos, de aspira??es indefinidas. Para mim era como se o mundo me estivesse esperando para continuar a evoluir…
Ouvia uma tentadora sibila falar-me, a toda a hora e a todo instante, na minha gl?ria futura. Agia desordenadamente e sentia a incoer?ncia dos meus atos, mas esperava que o preenchimento final do meu destino me explicasse cabalmente. Veio-me a pose, a necessidade de ser diferente. Relaxei-me no vestu?rio e era preciso que minha m?e me repreendesse para que eu fosse mais zeloso. Fugia aos brinquedos, evitava os grandes grupos, punha-me s? com um ou dois, ? parte, no recreio do col?gio; l? vinha um dia, por?m, que brincava doidamente, apaixonadamente. Causava com isso espanto aos camaradas: Oh! O Isa?as brincando! Vai chover…
A minha energia no estudo n?o diminuiu com os anos, como era de esperar; cresceu sempre progressivamente. A professora admirou-me e come?ou a simpatizar comigo. De si para si (suspeito eu hoje), ela imaginou que lhe passava pelas m?os um g?nio. Correspondi-lhe ? afei??o com tanta for?a d?alma, que tive ci?mes dela, dos seus olhos azuis e dos seus cabelos castanhos, quando se casou. Tinha eu ent?o dois anos de escola e doze de idade. Da? a um ano, sai do col?gio, dando-me ela, como recorda??o, um exemplar do Poder da Vontade, luxuosamente encadernado, com uma dedicat?ria afetuosa e lisonjeira. Foi o meu livro de cabeceira. Li-o sempre com m?o diurna e noturna, durante o meu curso secund?rio, de cujos professores, poucas recorda??es importantes conservo hoje. Eram banais! Nenhum deles tinha os olhos azuis de Dona Ester, t?o meigos e transcendentes que pareciam ler o meu destino, beijando as p?ginas em que estava escrito!…
Quando acabei o curso do liceu, tinha uma boa reputa??o de estudante, quatro aprova??es plenas, uma distin??o e muitas sabatinas ?timas. Demorei-me na minha cidade natal ainda dois anos, dois anos que passei fora de mim, excitado pelas notas ?timas e pelos progn?sticos da minha professora, a quem sempre visitava e ouvia. Todas as manh?s, ao acordar-me, ainda com o esp?rito acariciado pelos nevoentos sonhos de bom agouro, a sibila me dizia ao ouvido: Vai, Isa?as! vai!… Isto aqui n?o te basta… Vai para o Rio!
Ent?o, durante horas, atrav?s das minhas ocupa??es quotidianas, punha-me a medir as dificuldades, a considerar que o Rio era uma cidade grande, cheia de riqueza, abarrotada de ego?smo, onde eu n?o tinha conhecimentos, rela??es, protetores que me pudessem valer…
Que faria l?, s?, a contar com as minhas pr?prias for?as? Nada… Havia de ser como uma palha no rodamoinho da vida ? levado daqui, tocado para ali, afinal engolido no sorvedouro… ladr?o… b?bado… t?sico e quem sabe mais? Hesitava. De manh?, a minha resolu??o era quase inabal?vel, mas, j? ? tarde, eu me acobardava diante dos perigos que antevia.
Um dia, por?m, li no Di?rio de *** que o Fel?cio, meu antigo condisc?pulo, se formara em Farm?cia, tendo recebido por isso uma estrondosa, dizia o Di?rio, manifesta??o dos seus colegas.
Ora o Fel?cio! pensei de mim para mim. O Fel?cio! T?o burro! Tinha vit?rias no Rio! Por que n?o as havia eu de ter tamb?m ? eu que lhe ensinara, na aula de portugu?s, de uma vez para sempre, diferen?a entre o adjunto atributivo e o adverbial? Por qu?!?
Li essa not?cia na sexta-feira. Durante o s?bado tudo enfileirei no meu esp?rito, as vantagens e as desvantagens de uma partida. Hoje, j? n?o me recordo bem das fases dessa batalha; por?m uma circunst?ncia me ocorre das que me demoveram a partir. Na tarde de s?bado, sai pela estrada fora. Fazia mau tempo. Uma chuva intermitente caia desde dois dias.
Sai sem destino, a esmo, melancolicamente aproveitando a estiada.
Passava por um largo descampado e olhei o c?u. Pardas nuvens cinzentas galopavam, e, ao longe, uma pequena mancha mais escura parecia correr engastada nelas. A mancha aproximava-se e, pouco a pouco, via-a subdividir-se, multiplicar-se; por fim, um bando de patos negros passou por sobre a minha cabe?a, bifurcado em dois ramos, divergentes de um pato que voava na frente, a formar um V. Era a inicial de ?Vai?. Tomei isso como sinal animador, como bom aug?rio do meu prop?sito audacioso. No domingo, de manh?, disse de um s? jato ? minha m?e:
? Amanh?, mam?e, vou para o Rio.
Minha m?e nada respondeu, limitou-se a olhar-me enigmaticamente, sem aprova??o nem reprova??o; mas minha tia, que costurava em uma ponta da mesa, ergueu um tanto a cabe?a, descansou a costura no colo e falou persuasiva:
? Veja l? o que vai fazer, rapaz! Acho que voc? deve aconselhar-se com o Valentim!
? Ora qual! fiz eu com enfado. Para que Valentim? N?o sou eu rapaz ilustrado? N?o tenho todo o curso de preparat?rios? Para que conselhos?
? Mas olhe Isa?as! voc? ? muito crian?a… N?o tem pr?tica… O Valentim conhece mais a vida do que voc?. Tanto mais que j? esteve no Rio…
Minha tia, irm? mais velha de minha m?e, n?o tinha acabado de dizer a ?ltima palavra, quando o Valentim entrou envolvido num comprido capote de baeta.
Descansou alguns pacotes de jornais manchados de selos e carimbos; tirou o bon? com o emblema do Correio e pediu caf?.
? Voc? veio a prop?sito, Valentim. Isa?as quer ir para o Rio e eu acabo de recomendar que se aconselhasse com voc?.
? Quando voc? pretende ir, Isa?as? indagou meu tio, sem surpresa e imediatamente:
? Amanh?, disse eu cheio de resolu??o.
Ele nada me disse. Calamo-nos e minha tia saiu da sala, levando o capote molhado, e logo depois voltou, trazendo o caf?.
? Quer para ti, Valentim?
? Quero.
Revolvendo lentamente o a??car no fundo da x?cara, meu tio continuou ainda calado por muito tempo. Tomou um gole de caf?, depois um outro de aguardente, esteve com o c?lice suspenso alguns instantes, descansou-o na mesa automaticamente e, aos poucos, a sua fisionomia de largos tra?os de ousadia foi revelando um grande trabalho de concentra??o interior. Minha m?e nada dissera at? ali.
Num dado momento, pretextando qualquer coisa, levantou-se e foi aos fundos da casa. Ao sair fez a minha tia uma insignificante pergunta sobre o arranjo dom?stico, sem aludir ? minha resolu??o e sem despertar meu tio da cisma profunda em que se engolfara.
Ansioso, deixei-me a ficar ? espera de uma resposta dele, notando-lhe as menores contra??es do rosto e decifrando os mais t?nues lampejos de seu olhar. Houve um segundo que ele me pareceu ter suspendido todo o movimento exterior de sua pessoa. A respira??o como que parara, tinha o cenho carregado, as rugas da testa larga e quadrada fixadas, como se tivessem sido vazadas em bronze, e os olhos im?veis, orientados para uma fresta da mesa, brilhantes, extraordinariamente brilhantes e salientes, como que a saltar das ?rbitas, para farejar o rasto prov?vel da minha vida na intrincada floresta dos acontecimentos. Gostava dele. Era um homem leal, valoroso, de pouca instru??o, mas de cora??o aberto e generoso. Contavam-lhe fa?anhas, bravatas portentosas, levadas ao cabo, pelos tempos em que fora, nas elei??es, esteio do partido liberal. Pelas portas das vendas, quando passava, cavalgando o seu simp?tico cavalo magro, com um saco de cartas ? garupa, murmuravam: ?Que songamonga! J? liquidou dois…?
Eu sabia do caso, estava mesmo convencido de sua exatid?o; entretanto, apesar das minhas idiotas exig?ncias de moral inflex?vel, n?o me envergonhava de estim?-lo, amava-o at?, sem mescla de terror, j? pela decis?o do seu car?ter, j? pelo apoio certo que nos dera, a mim e a minha m?e, quando veio a morrer meu pai, vig?rio da freguesia de ***. Animara a continuar os meus estudos, fizera sacrif?cios para me dar vestu?rio e livros, desenvolvendo assim uma atividade acima dos meus recursos e for?as.
Durante os dois anos que passei, depois de ter conclu?do humanidades, o seu car?ter atrevido conseguia de quando em quando arranjar-me um ou outro trabalho. Desse modo, eu ia vivendo uma doce e med?ocre vida roceira, sempre perturbada, por?m, pelo estonteante prop?sito de me largar para o Rio. Vai Isa?as! Vai!
Meu tio ergueu a cabe?a, passou a olhar demoradamente sobre mim e disse:
? Fazes bem!
Acabou de tomar o caf?, pediu o capote e convidou-me:
? V?, comigo. Vamos ao coronel… Quero pedir-lhe que te recomende ao doutor Castro, deputado.
Minha tia trouxe o capote, e quando ?amos saindo apareceu tamb?m minha m?e, recomendando:
? Agasalhe-se bem, Isa?as! Levas o chap?u-de-chuva?
? Sim senhora, respondi.
Durante quarenta minutos, patinhamos na lama do caminho, at? ? casa do Coronel Belmiro. Mal t?nhamos empurrado a porteira que dava para a estrada, o vulto grande do fazendeiro assomou no portal da casa, redondo, num longo capote e coberto de um largo chap?u de feltro preto. Aproximamo-nos.
? Oh! Valentim! fez pregui?osamente o coronel. Voc? traz cartas? Devem ser do Trajano, conhece? S?cio do Martins, da Rua dos Pescadores…
? N?o senhor, interrompeu meu tio.
? Ah! ? seu sobrinho… Nem o conheci… Como vai, menino? N?o esperou a minha resposta; continuou logo em seguida:
? Ent?o, quando vai para o Rio? N?o fique aqui… V?… olhe o senhor conhece o Azevedo?
? ? disso mesmo que v?nhamos tratar. Isa?as quer ir para o Rio e eu vinha pedir a Vossa Senhoria…
? O qu?? interrompeu assustado o coronel.
? Eu queria que Vossa Senhoria, senhor coronel, gaguejou o tio Valentim, recomendasse o rapaz ao doutor Castro.
O coronel esteve a pensar. Mirou-me de alto a baixo, finalmente falou:
? Voc? tem direito, Seu Valentim… ?… Voc? trabalhou pelo Castro… Aqui para n?s: se ele est? eleito, deve-o a mim e aos defuntos, e a voc? que desenterrou alguns.
Riu-se muito, cheio de satisfa??o por ter repetido t?o velha pilh?ria e perguntou amavelmente em seguida:
? O que ? que voc? quer que lhe pe?a?
? Vossa Senhoria podia dizer na carta que o Isa?as ia ao Rio estudar, tendo j? todos os preparat?rios, e precisava, por ser pobre, que o doutor lhe arranjasse um emprego.
O coronel n?o se deteve, fez-nos sentar, mandou vir caf? e foi a um compartimento junto escrever a missiva.
(…)
 
 
 
____________________
 
Fonte: BARRETO, Lima. Recorda??es do Escriv?o Isa?as Caminha. Rio de Janeiro, Ediouro, 1990, p. 27-31.

  • Revistas



  • Escritores

    Adalberto Rafael Guimarães (1) Adelia Miglievich-Ribeiro (1) Adenilson de Barros de Albuquerque (1) Adolfo Caminha (1) Adonay Custódia dos Santos Moreira (1) Adonias Filho (2) Adélia Prado (1) Affonso Romano de Sant'ana (1) Alana Yasmim dos Santos (1) Albert von Brunn (1) Alessandra Teixeira (1) Alexandre de Oliveira Fernandes (1) Aline de Castro Costa Martins (1) Aline Menezes (1) Aloísio de Azevedo (1) Alphonsus Guimaraens (1) Alphonsus Guimarães (1) Alvarenga Peixoto (1) Alvares de Azevedo (2) Amanda da Silva Oliveira (1) Ana Aparecida Alves Pereira Oliveira (1) Ana Beatriz Affonso Penna (1) Ana Bárbara Pedrosa (1) Ana Carla Pacheco Lourenço Ferri (1) Ana Claudia Pinheiro Dias Nogueira (1) Ana Isabel Mendes Rosa Marques (1) Ana Paula A. dos Santos (1) Andre Heloy Avila (1) Andressa Mariano Gonçalez (1) Angela Cristina Dias Rego Catonio (1) Angélica Maria Alves Vasconcelos (2) António Ladeira (1) Antônio Alcantara Machado (1) Antônio Callado (2) Antônio Olinto (1) Antônio Torres (1) Armando Freitas Filho (1) Armando Gnisci (1) Artinésio Widnesse Saguate (1) Artur Emílio dos Santos Silva (1) Assumpta Camps (1) Aucilane Santos Aragão (1) Augusto dos Anjos (1) Auta de Souza (1) Autran Dourado (5) Azzurra Rinaldi (1) Basilio da Gama (1) Beatrice Bonami Rosa (1) Beatriz Nascimento Teles (1) Bernardo Guimarães (1) Caio Fernando Abreu (3) Caio Vitor Marques Miranda (2) Caique Franchetto (1) Camila Marchioro (1) Carila Aparecida de Oliveira (1) Carina Lessa (1) Carlos Calenti (1) Carlos Drummond de Andrade (1) Carlos Nascimento Silva (1) Carmem Lúcia Negreiros de Figueiredo (1) Casimiro de Abreu (3) Cassiana Lima Cardoso (1) Castro Alves (5) Cecília Meireles (3) Celina Maria Moreira De Mello (2) Ciro dos Anjos (1) Clarice Lispector (11) Claudia Vanessa Bergamin (1) Cláudia Cristina Ferreira (2) Cláudia Luna (1) Cláudia Sabbag Ozawa Galindo (1) Cláudio Manuel da Costa (1) Coelho Netto (1) Cristiane Lira (1) Cristian Souza de Sales (1) Cristina da Conceição Silva (1) Cristina Ferreira Pinto-Bailey (1) Cristina Gutiérrez Leal (1) Cristina Susigan (1) Cyana Leahy-Dios (1) Daiane Basílio de Oliveira (1) Dalton Trevisan (3) Danglei de Castro Pedreira (1) Daniele Fernanda Eckstein (1) Daniele Fernanda Feliz Moreira (2) Daniele Ribeiro Fortuna (2) Danielly Christina de Souza Mezzari (1) DANILO SALES DE QUEIROZ SILVA (1) Danilo Silva Paes Landim (1) Dante Luiz de Lima (1) Davi da Silva Oliveira (1) David Osorio (1) Davi Pinho (1) Dayane Mussulini (1) Denise Maria Soares Lima (2) Dhandara Soares de Lima (2) Diana Navas (1) Dinah Silveira de Queiroz (2) Dina Maria Martins Ferreira (2) Dinéa Maria Sobral Muniz (1) Domingos Olímpio (1) Douglas R. da Silva (1) Dr. Claudio Bogantes (1) Edelson Geraldo Gonçalves (1) Edmundo Bouças (1) Edwirgens A. Ribeiro Lopes de Almeida (1) Elaine Cristina Andrade Pereira (1) Eliane Maria de Oliveira Giacon (3) Eliezer Moreira (1) Elisa Riffel Pacheco (2) Emanuela Carla Siqueira (1) Emiliano Coello Gutiérrez (1) Erico Veríssimo (1) Euclides da Cunha (1) Fabiana Rodrigues Carrijo (1) Fabiano Dalla Bona (1) Fabrizio Rusconi (1) Fagundes Varella (2) Fernanda Aparecida Ribeiro (1) Fernando Gabeira (1) Fernando Sabino (1) Francisco Pereira Smith Junior (1) Francisco Venceslau dos Santos (1) Franklin Távora (1) Gabriela Pacheco Amaral (1) Geysa Silva (1) Gilberto Rocha (2) Gilberto Santos da Rocha (1) Gilka Machado (2) Giovanni Ricciardi (1) Giulia Spinuzza (1) Gonçalves Dias (1) Graciela René Ormezzano (1) Graciliano Ramos (2) Graça Aranha (1) Gringo Carioca (1) Helena Maria Alves Moreira (2) Helena Parente Cunha (1) Herberto Sales (1) Isabelle Rodrigues de Mattos Costa (2) Isaura Maria Rigitano de Limas (1) Ivan Neves Marques Júnior (2) Jacqueline Cassia de Pinheiro Lima (1) Janaina Cardoso de Mello (1) Janaíne Januário (1) Janaíne Januário da Silva (1) Jaqueline de Oliveira Brandão (1) Joana d’Arc Martins Pupo (1) Joaquim Manuel de Macedo (4) Jocélio Jorge Mácola Rente (1) Jorge Amado (5) Jorge de Lima (2) Jorge Sá Earp (2) Jorge Vicente Valentim (2) Josiane Rodrigues Neves (1) Josué Montello (3) José Candido de Carvalho (1) José de Alencar (5) José Geraldo da Rocha (2) José Geraldo Rocha (1) José Lins do Rego (1) José Luiz Matias (1) José Sarney (1) João Cabral de Melo Neto (3) João do Rio (1) João Guimarães Rosa (6) João Pedro Fagerlande (1) João ubaldo Ribeiro (2) Júlio Ribeiro (1) Ligia Vassallo (2) Lima Barreto (6) Luana Balieiro Cosme (2) Luana Mara Almeida Teixeira (2) Lucio Cardoso (1) Luiza Lobo (16) Lygia Fagundes Telles (3) Machado de Assis (13) Manuel Bandeira (1) Marcela de Oliveira e Silva Lemos (2) Marco Lucchesi (1) Mariese Ribas Stankiewicz (2) Marina Colasanti (1) Mario Quintana (1) Menotti Del Picchia (1) Murilo Mendes (1) Mário de Andrade (3) Mônica Peralli Broti (2) Nélida Piñon (4) Odylo Costa Filho (4) Patricia Maria dos Santos Santana (5) Paulo da Luz Moreira (2) Ricardo Augusto de Lima (2) Rosália Milsztajn (2) Rubem Mauro Machado (1) Sandra Sacramento (2) Sávio Augusto Lopes da Silva Junior (2) Tereza Ventura (2) Walter De Souza Lopes (2) Wellington Alves Toledo (2) Ângela Beatriz de Carvalho Faria (1)