A NOVA CALIFÓRNIA


Autor: Lima Barreto
Título: A NOVA CALIF?RNIA
Idiomas: port
Tradutor:
Data: 06/06/2005

A NOVA CALIFÓRNIA

(Conto de A Nova Calif?rnia)

 

Lima Barreto

 
Ningu?m sabia donde viera aquele homem. O agente do Correio pudera apenas informar que acudia ao nome de Raimundo Flamel, pois assim era subscrita a correspond?ncia que recebia. E era grande. Quase diariamente, o carteiro l? ia a um dos extremos da cidade, onde morava o desconhecido, sopesando um ma?o alentado de cartas vindas do mundo inteiro, grossas revistas em l?nguas arrevesadas, livros, pacotes…
Quando Fabr?cio, o pedreiro, voltou de um servi?o em casa do novo habitante, todos na venda perguntaram-lhe que trabalho lhe tinha sido determinado.
? Vou fazer um forno, disse o preto, na sala de jantar.
Imaginem o espanto da pequena cidade de Tubiacanga, ao saber de t?o extravagante constru??o: um forno na sala de jantar! E, pelos dias seguintes, Fabr?cio p?de contar que vira bal?es de vidros, facas sem corte, copos como os da farm?cia ? um rol de coisas esquisitas a se mostrarem pelas mesas e prateleiras como utens?lios de uma bateria de cozinha em que o pr?prio diabo cozinhasse.
O alarme se fez na vila. Para uns, os mais adiantados, era um fabricante de moeda falsa; para outros, os crentes e simples, um tipo que tinha parte com o tinhoso.
Chico da Tirana, o carreiro, quando passava em frente da casa do homem misterioso, ao lado do carro a chiar, e olhava a chamin? da sala de jantar a fumegar, n?o deixava de persignar-se e rezar um ?credo? em voz baixa; e, n?o fora a interven??o do farmac?utico, o subdelegado teria ido dar um cerco ? casa daquele indiv?duo suspeito, que inquietava a imagina??o de toda uma popula??o.
Tomando em considera??o as informa??es de Fabr?cio, o botic?rio Bastos concluir? que o desconhecido devia ser um s?bio, um grande qu?mico, refugiado ali para mais sossegadamente levar avante os seus trabalhos cient?ficos.
Homem formado e respeitado na cidade, vereador, m?dico tamb?m, porque o doutor Jer?nimo n?o gostava de receitar e se fizera s?cio da farm?cia para mais em paz viver, a opini?o de Bastos levou tranq?ilidade a todas as consci?ncias e fez com que a popula??o cercasse de uma silenciosa admira??o a pessoa do grande qu?mico, que viera habitar a cidade.
De tarde, se o viam a passear pela margem do Tubiacanga, sentando-se aqui e ali, olhando perdidamente as ?guas claras do riacho, cismando diante da penetrante melancolia do cresp?sculo, todos se- descobriam e n?o era raro que ?s ?boas noites? acrescentassem ?doutor?. E tocava muito o cora??o daquela gente a profunda simpatia com que ele tratava as crian?as, a maneira pela qual as contemplava, parecendo apiedar-se de que elas tivessem nascido para sofrer e morrer.
Na verdade, era de ver-se, sob a do?ura suave da tarde, a bondade de Messias com que ele afagava aquelas crian?as pretas, t?o lisas de pele e t?o tristes de modos, mergulhadas no seu cativeiro moral, e tamb?m as brancas, de pele ba?a, gretada e ?spera, vivendo amparadas na necess?ria caquexia dos tr?picos.
Por vezes, vinha-lhe vontade de pensar qual a raz?o de ter Bernardin de Saint-Pierre gasto toda a sua ternura com Paulo e Virg?nia e esquecer-se dos escravos que os cercavam…
Em poucos dias a admira??o pelo s?bio era quase geral, e n?o o era unicamente porque havia algu?m que n?o tinha em grande conta os m?ritos do novo habitante.
Capit?o Pelino, mestre-escola e redator da Gazeta de Tubiacanga, ?rg?o local e filiado ao partido situacionista, embirrava com o s?bio. ?Voc?s h?o de ver, dizia ele, quem ? esse tipo… Um caloteiro, um aventureiro ou talvez um ladr?o fugido do Rio.?
A sua opini?o em nada se baseava, ou antes, baseava-se no seu oculto despeito vendo na terra um rival para a fama de s?bio de que gozava. N?o que Pelino fosse qu?mico, longe disso; mas era s?bio, era gram?tico. Ningu?m escrevia em Tubiacanga que n?o levasse bordoada do Capit?o Pelino, e mesmo quando se falava em algum homem not?vel l? no Rio, ele n?o deixava de dizer: ?N?o h? d?vida! O homem tem talento, mas escreve: ‘um outro’, ‘de resto’…? E contra?a os l?bios como se tivesse engolido alguma cousa amarga.
Toda a vila de Tubiacanga acostumou-se a respeitar o solene Pelino, que corrigia e emendava as maiores gl?rias nacionais. Um s?bio…
Ao entardecer, depois de ler um pouco o Sotero, o Candido de Figueiredo ou o Castro Lopes, e de ter passado mais uma vez a tintura nos cabelos, o velho mestre-escola sa?a vagarosamente de casa, muito abotoado no seu palet? de brim mineiro, e encaminhava-se para a botica do Bastos a dar dous dedos de prosa. Conversar ? um modo de dizer, porque era Pelino avaro de palavras, limitando-se t?o-somente a ouvir. Quando, por?m, dos l?bios de algu?m escapava a menor incorre??o de linguagem, intervinha e emendava. ?Eu asseguro, dizia o agente do Correio, que…? Por a?, o mestre-escola intervinha com mansuetude evang?lica: ?N?o diga ‘asseguro’ Senhor Bernardes; em portugu?s ? garanto.?
E a conversa continuava depois da emenda, para ser de novo interrompida por uma outra. Por essas e outras, houve muitos palestradores que se afastaram, mas Pelino, indiferente, seguro dos seus deveres, continuava o seu apostolado de vernaculismo. A chegada do s?bio veio distra?-lo um pouco da sua miss?o. Todo o seu esfor?o voltava-se agora para combater aquele rival, que surgia t?o inopinadamente.
Foram v?s as suas palavras e a sua eloq??ncia: n?o s? Raimundo Flamel pagava em dia as suas contas, como era generoso? pai da pobreza ? e o farmac?utico vira numa revista de espec?ficos seu nome citado como qu?mico de valor.
 

II

Havia j? anos que o qu?mico vivia em Tubiacanga, quando, uma bela manh?, Bastos o viu entrar pela botica adentro. O prazer do farmac?utico foi imenso. O s?bio n?o se dignara at? a? visitar fosse quem fosse e, certo dia, quando o sacrist?o Orestes ousou penetrar em sua casa, pedindo-lhe uma esmola para a futura festa de Nossa Senhora da Concei??o, foi com vis?vel enfado que ele o recebeu e atendeu.
Vendo-o, Bastos saiu de detr?s do balc?o, correu a receb?-lo com a mais perfeita demonstra??o de quem sabia com quem tratava e foi quase em uma exclama??o que disse:
? Doutor, seja bem-vindo.
O s?bio pareceu n?o se surpreender nem com a demonstra??o de respeito do farmac?utico, nem com o tratamento universit?rio. Docemente, olhou um instante a arma??o cheia de medicamentos e respondeu:
? Desejava falar-lhe em particular, Senhor Bastos.
O espanto do farmac?utico foi grande. Em que poderia ele ser ?til ao homem, cujo nome corria mundo e de quem os jornais falavam com t?o acendrado respeito? Seria dinheiro? Talvez… Um atraso no pagamento das rendas, quem sabe? E foi conduzindo o qu?mico para o interior da casa, sob o olhar espantado do aprendiz que, por um momento, deixou a ?m?o? descansar no gral, onde macerava uma tisana qualquer.
Por fim, achou ao fundo, bem no fundo, o quartinho que lhe servia para exames m?dicos mais detidos ou para as pequenas opera??es, porque Bastos tamb?m operava. Sentaram-se e Flamel n?o tardou a expor:
? Como o senhor deve saber, dedico-me ? qu?mica, tenho mesmo um nome respeitado no mundo s?bio…
? Sei perfeitamente, doutor, mesmo tenho disso informado, aqui, aos meus amigos.
? Obrigado. Pois bem: fiz uma grande descoberta, extraordin?ria. . .
Envergonhado com o seu entusiasmo, o s?bio fez uma pausa e depois continuou:
? Uma descoberta… Mas n?o me conv?m, por ora, comunicar ao mundo s?bio, compreende?
? Perfeitamente.
? Por isso precisava de tr?s pessoas conceituadas que fossem testemunhas de uma experi?ncia dela e me dessem um atestado em forma, para resguardar a prioridade da minha inven??o… O senhor sabe: h? acontecimentos imprevistos e…
? Certamente! N?o h? d?vida!
? Imagine o senhor que se trata de fazer ouro…
? Como? O qu?? fez Bastos, arregalando os olhos.
? Sim! Ouro! disse, com firmeza, Flamel.
? Como?
? O senhor saber?, disse o qu?mico secamente. A quest?o do momento s?o as pessoas que devem assistir ? experi?ncia, n?o acha?
? Com certeza, ? preciso que os seus direitos fiquem resguardados, porquanto…
? Uma delas, interrompeu o s?bio, ? o senhor; as outras duas, o Senhor Bastos far? o favor de indicar-me.
O botic?rio esteve um instante a pensar, passando em revista os seus conhecimentos e, ao fim de uns tr?s minutos, perguntou:
? O Coronel Bentes lhe serve? Conhece?
? N?o. O senhor sabe que n?o me dou com ningu?m aqui.
? Posso garantir-lhe que ? homem s?rio, rico e muito discreto.
? E religioso? Fa?o-lhe esta pergunta, acrescentou Flamel logo, porque temos que lidar com ossos de defunto e s? estes servem…
? Qual! E quase ateu…
? Bem! Aceito. E o outro?
Bastos voltou a pensar e dessa vez demorou-se um pouco mais consultando a sua mem?ria… Por fim, falou:
? Ser? o Tenente Carvalhais, o coletor, conhece?
? Como j? lhe disse…
? E verdade. E homem de confian?a, s?rio, mas…
? Que ? que tem?
? E ma?om.
? Melhor.
? E quando ??
? Domingo. Domingo, os tr?s ir?o l? em casa assistir ? experi?ncia e espero que n?o me recusar?o as suas firmas para autenticar a minha descoberta.
? Est? tratado.
Domingo, conforme prometeram, as tr?s pessoas respeit?veis de Tubiacanga foram ? casa de Flamel, e, dias depois, misteriosamente, ele desaparecia sem deixar vest?gios ou explica??o para o seu desaparecimento.
 

III

Tubiacanga era uma pequena cidade de tr?s ou quatro mil habitantes, muito pac?fica, em cuja esta??o, de onde em onde, os expressos davam a honra de parar. H? cinco anos n?o se registrava nela um furto ou roubo. As portas e janelas s? eram usadas… porque o Rio as usava.
O ?nico crime notado em seu pobre cadastro fora um assassinato por ocasi?o das elei??es municipais; mas, atendendo que o assassino era do partido do governo, e a v?tima da oposi??o, o acontecimento em nada alterou os h?bitos da cidade, continuando ela a exportar o seu caf? e a mirar as suas casas baixas e acanhadas nas escassas ?guas do pequeno rio que a batizara.
Mas, qual n?o foi a surpresa dos seus habitantes quando se veio a verificar nela um dos repugnantes crimes de que se tem mem?ria! N?o se tratava de um esquartejamento ou parric?dio; n?o era o assassinato de uma fam?lia inteira ou um assalto ? coletoria; era cousa pior, sacr?lega aos olhos de todas as religi?es e consci?ncias: violavam-se as sepulturas do ?Sossego?, do seu cemit?rio, do seu campo-santo.
Em come?o, o coveiro julgou que fossem c?es, mas, revistando bem o muro, n?o encontrou sen?o pequenos buracos. Fechou-os; foi in?til. No dia seguinte, um jazigo perp?tuo arrombado e os ossos saqueados; no outro, um carneiro e uma sepultura rasa. Era gente ou dem?nio. O coveiro n?o quis mais continuar as pesquisas por sua conta, foi ao subdelegado e a not?cia espalhou-se pela cidade.
A indigna??o na cidade tomou todas as fei??es e todas as vontades. A religi?o da morte precede todas e certamente ser? a ?ltima a morrer nas consci?ncias. Contra a prolana??o, clamaram os seis presbiterianos do lugar ? os b?blicos, como lhes chama o povo; clamava o Agrimensol Nicolau, antigo cadete, e positivista do rito Teixeira Mendes; clamava o Major Camanho, presidente da Loja Nova Esperan?a; clamavam o turco Miguel Abudala, negociante de armarinho, e o c?tico Belmiro, antigo estudante, que vivia ao deus-dar?, bebericando parati nas tavernas. A pr?pria filha do engenheiro residente da estrada de ferro, que vivia desdenhando aquele lugarejo, sem notar sequer os suspiros dos apaixonados locais, sempre esperando que o expresso trouxesse um pr?ncipe a despos?-la ?, a linda e desdenhosa Cora n?o p?de deixar de compartilhar da indigna??o e do horror que tal ato provocara em todos do lugarejo. Que tinha ela com o t?mulo de antigos escravos e humildes roceiros? Em que podia interessar aos seus lindos olhos pardos o destino de t?o humildes ossos? Porventura o furto deles perturbaria o seu sonho de fazer radiar a beleza de sua boca, dos seus olhos e do seu busto nas cal?adas do Rio?
Decerto, n?o; mas era a Morte, a Morte implac?vel e onipotente, de que ela tamb?m se sentia escrava, e que n?o deixaria um dia de levar a sua linda caveirinha para a paz eterna do cemit?rio. A? Cora queria os seus ossos sossegados, quietos e comodamente descansando num caix?o bem feito e num t?mulo seguro, depois de ter sido a sua carne encanto e prazer dos vermes…
O mais indignado, por?m, era Pelino. O professor deitara artigo de fundo, imprecando, bramindo, gritando: ?Na est?ria do crime, dizia ele, j? bastante rica de fatos repugnantes, como sejam: o esquartejamento de Maria de Macedo, o estrangulamento dos irm?os Fuoco, n?o se registra um que o seja tanto como o saque ?s sepulturas do ‘Sossego’. ?
E a vila vivia em sobressalto. Nas faces n?o se lia mais paz; os neg?cios estavam paralisados; os namoros suspensos. Dias e dias por sobre as casas pairavam nuvens negras e, ? noite, todos ouviam ru?dos, gemidos, barulhos sobrenaturais… Parecia que os mortos pediam vingan?a…
O saque, por?m, continuava. Toda noite eram duas, tr?s sepulturas abertas e esvaziadas de seu f?nebre conte?do. Toda a popula??o resolveu ir em massa guardar os ossos dos seus maiores. Foram cedo, mas, em breve, cedendo ? fadiga e ao sono, retirou-se um, depois outro e, pela madrugada, j? n?o havia nenhum vigilante. Ainda nesse dia o coveiro verificou que duas sepulturas tinham sido abertas e os ossos levados para destino misterioso.
Organizaram ent?o uma guarda. Dez homens decididos juraram perante o subdelegado vigiar durante a noite a mans?o dos mortos.
Nada houve de anormal na primeira noite, na segunda e na terceira; mas, na quarta, quando os vigias j? se dispunham a cochilar, um deles julgou lobrigar um vulto esgueirando-se por entre a quadra dos carneiros. Correram e conseguiram apanhar dous dos vampiros. A raiva e a indigna??o, at? a? sopitadas no animo deles, n?o se contiveram mais e
Deram tanta bordoada nos macabros ladr?es, que os deixaram estendidos como mortos.
A not?cia correu logo de casa em casa e, quando, de manh?, se tratou de estabelecer a identidade dos dous malfeitores, foi diante da popula??o inteira que foram neles reconhecidos o Coletor Carvalhais e o Coronel Bentes, rico fazendeiro e presidente da C?mara. Este ?ltimo ainda vivia e, a perguntas repetidas que lhe fizeram, p?de dizer que juntava os ossos para fazer ouro e 0 companheiro que fugira era 0 farmac?utico.
Houve espanto e houve esperan?as. Como fazer ouro com ossos? Seria poss?vel? Mas aquele homem rico, respeitado, como desceria ao papel de ladr?o de mortos se a cousa n?o fosse verdade!
Se fosse poss?vel fazer, se daqueles m?seros despojos f?nebres se pudesse fazer alguns contos de r?is, como n?o seria bom para todos eles!
O carteiro, cujo velho sonho era a formatura do filho, viu logo ali meios de consegui-la. Castrioto, o escriv?o do juiz de paz, que no ano passado conseguiu comprar uma casa, mas ainda n?o a pudera cercar, pensou no muro, que lhe devia proteger a horta e a cria??o. Pelos olhos do sitiante Marques, que andava desde anos atrapalhado para arranjar um pasto, pensou logo no prado verde do Costa, onde os seus bois engordariam e ganhariam for?as…
?s necessidades de cada um, aqueles ossos que eram ouro viriam atender, satisfazer e felicit?-los; e aqueles dous ou tr?s milhares de pessoas, homens, crian?as, mulheres, mo?os e velhos, como se fossem uma s? pessoa, correram ? casa do farmac?utico.
A custo, o subdelegado p?de impedir que varejassem a botica e conseguir que ficassem na pra?a, ? espera do homem que tinha o segredo de todo um Potosi. Ele n?o tardou a aparecer. Trepado a uma cadeira, tendo na m?o uma pequena barra de ouro que reluzia ao forte sol da manh?, Bastos pediu gra?a, prometendo que ensinaria o segredo, se lhe poupassem a vida. ?Queremos j? sab?-lo,? gritaram. Ele ent?o explicou que era preciso redigir a receita, indicar a marcha do processo, os reativos ? trabalho longo que s? poderia ser entregue impresso no dia seguinte. Houve um murm?rio, alguns chegaram a gritar, mas o subdelegado falou e responsabilizou-se pelo resultado.
Docilmente, com aquela do?ura particular ?s multid?es furiosas, cada qual se encaminhou para casa, tendo na cabe?a um ?nico pensamento: arranjar imediatamente a maior por??o de ossos de defunto que pudesse.
O sucesso chegou ? casa do engenheiro residente da estrada de ferro. Ao jantar, n?o se falou em outra cousa. O doutor concatenou o que ainda sabia do seu curso, e afirmou que era imposs?vel. Isto era alquimia, cousa morta: ouro ? ouro, corpo simples, e osso ? osso, um composto, fosfato de cal. Pensar que se podia fazer de uma cousa outra era ?besteira?. Cora aproveitou o caso para rir-se petropolimente da crueldade daqueles botocudos; mas sua m?e, Dona Emilia, tinha f? que a cousa era poss?vel.
? noite, por?m, o doutor percebendo que a mulher dormia, saltou a janela e correu em direitura ao cemit?rio; Cora, de p?s nus, com as chinelas nas m?os, procurou a criada para irem juntas ? colheita de ossos. N?o a encontrou, foi sozinha; e Dona Em?lia, vendo-se s?, adivinhou o passeio e l? foi tamb?m. E assim aconteceu na cidade inteira. O pai, sem dizer nada ao filho, sa?a; a mulher, julgando enganar o marido, sa?a; os filhos, as filhas, os criados ? toda a popula??o, sob a luz das estrelas assombradas, correu ao sat?nico rendez-vous no ?Sossego?. E ningu?m faltou. O mais rico e o mais pobre l? estavam. Era o turco Miguel, era o professor Pelino, o doutor Jer?nimo, o Major Camanho, Cora, a linda e deslumbrante Cora, com os seus lindos dedos de alabastro, revolvia a s?nie das sepulturas, arrancava as carnes, ainda podres agarradas tenazmente aos ossos e deles enchia o seu rega?o at? ali in?til. Era o dote que colhia e as suas narinas, que se abriam em asas rosadas e quase transparentes, n?o sentiam o f?tido dos tecidos apodrecidos em lama fedorenta…
A desintelig?ncia n?o tardou a surgir; os mortos eram poucos e n?o bastavam para satisfazer a fome dos vivos. Houve facadas, tiros, cacha??es. Pelino esfaqueou o turco por causa de um f?mur e mesmo entre as fam?lias quest?es surgiram. Unicamente, o carteiro e o filho n?o brigaram. Andaram juntos e de acordo e houve uma vez que o pequeno, uma esperta crian?a de onze anos, at? aconselhou ao pai: ?Papai vamos aonde est? mam?e; ela era t?o gorda…?
De manh?, o cemit?rio tinha mais mortos do que aqueles que recebera em trinta anos de existencia. Uma ?nica pessoa l? n?o estivera, n?o matara nem profanara sepulturas: fora o b?bedo Belmiro.
Entrando numa venda, meio aberta, e nela n?o encontrando ningu?m, enchera uma garrafa de parati e se deixara ficar a beber sentado na margem do Tubiacanga, vendo escorrer mansamente as suas ?guas sobre o ?spero leito de granito ? ambos, ele e o rio, indiferentes ao que j? viram, mesmo ? fuga do farmac?utico, com o seu Potosi e o seu segredo, sob o dossel eterno das estrelas.
 
10-11-1910

FIM

  • Revistas



  • Escritores

    Adalberto Rafael Guimarães (1) Adelia Miglievich-Ribeiro (1) Adenilson de Barros de Albuquerque (1) Adolfo Caminha (1) Adonay Custódia dos Santos Moreira (1) Adonias Filho (2) Adélia Prado (1) Affonso Romano de Sant'ana (1) Alana Yasmim dos Santos (1) Albert von Brunn (1) Alessandra Teixeira (1) Alexandre de Oliveira Fernandes (1) Aline de Castro Costa Martins (1) Aline Menezes (1) Aloísio de Azevedo (1) Alphonsus Guimaraens (1) Alphonsus Guimarães (1) Alvarenga Peixoto (1) Alvares de Azevedo (2) Amanda da Silva Oliveira (1) Ana Aparecida Alves Pereira Oliveira (1) Ana Beatriz Affonso Penna (1) Ana Bárbara Pedrosa (1) Ana Carla Pacheco Lourenço Ferri (1) Ana Claudia Pinheiro Dias Nogueira (1) Ana Isabel Mendes Rosa Marques (1) Ana Paula A. dos Santos (1) Andre Heloy Avila (1) Andressa Mariano Gonçalez (1) Angela Cristina Dias Rego Catonio (1) Angélica Maria Alves Vasconcelos (2) António Ladeira (1) Antônio Alcantara Machado (1) Antônio Callado (2) Antônio Olinto (1) Antônio Torres (1) Armando Freitas Filho (1) Armando Gnisci (1) Artinésio Widnesse Saguate (1) Artur Emílio dos Santos Silva (1) Assumpta Camps (1) Aucilane Santos Aragão (1) Augusto dos Anjos (1) Auta de Souza (1) Autran Dourado (5) Azzurra Rinaldi (1) Basilio da Gama (1) Beatrice Bonami Rosa (1) Beatriz Nascimento Teles (1) Bernardo Guimarães (1) Caio Fernando Abreu (3) Caio Vitor Marques Miranda (2) Caique Franchetto (1) Camila Marchioro (1) Carila Aparecida de Oliveira (1) Carina Lessa (1) Carlos Calenti (1) Carlos Drummond de Andrade (1) Carlos Nascimento Silva (1) Carmem Lúcia Negreiros de Figueiredo (1) Casimiro de Abreu (3) Cassiana Lima Cardoso (1) Castro Alves (5) Cecília Meireles (3) Celina Maria Moreira De Mello (2) Ciro dos Anjos (1) Clarice Lispector (11) Claudia Vanessa Bergamin (1) Cláudia Cristina Ferreira (2) Cláudia Luna (1) Cláudia Sabbag Ozawa Galindo (1) Cláudio Manuel da Costa (1) Coelho Netto (1) Cristiane Lira (1) Cristian Souza de Sales (1) Cristina da Conceição Silva (1) Cristina Ferreira Pinto-Bailey (1) Cristina Gutiérrez Leal (1) Cristina Susigan (1) Cyana Leahy-Dios (1) Daiane Basílio de Oliveira (1) Dalton Trevisan (3) Danglei de Castro Pedreira (1) Daniele Fernanda Eckstein (1) Daniele Fernanda Feliz Moreira (2) Daniele Ribeiro Fortuna (2) Danielly Christina de Souza Mezzari (1) DANILO SALES DE QUEIROZ SILVA (1) Danilo Silva Paes Landim (1) Dante Luiz de Lima (1) Davi da Silva Oliveira (1) David Osorio (1) Davi Pinho (1) Dayane Mussulini (1) Denise Maria Soares Lima (2) Dhandara Soares de Lima (2) Diana Navas (1) Dinah Silveira de Queiroz (2) Dina Maria Martins Ferreira (2) Dinéa Maria Sobral Muniz (1) Domingos Olímpio (1) Douglas R. da Silva (1) Dr. Claudio Bogantes (1) Edelson Geraldo Gonçalves (1) Edmundo Bouças (1) Edwirgens A. Ribeiro Lopes de Almeida (1) Elaine Cristina Andrade Pereira (1) Eliane Maria de Oliveira Giacon (3) Eliezer Moreira (1) Elisa Riffel Pacheco (2) Emanuela Carla Siqueira (1) Emiliano Coello Gutiérrez (1) Erico Veríssimo (1) Euclides da Cunha (1) Fabiana Rodrigues Carrijo (1) Fabiano Dalla Bona (1) Fabrizio Rusconi (1) Fagundes Varella (2) Fernanda Aparecida Ribeiro (1) Fernando Gabeira (1) Fernando Sabino (1) Francisco Pereira Smith Junior (1) Francisco Venceslau dos Santos (1) Franklin Távora (1) Gabriela Pacheco Amaral (1) Geysa Silva (1) Gilberto Rocha (2) Gilberto Santos da Rocha (1) Gilka Machado (2) Giovanni Ricciardi (1) Giulia Spinuzza (1) Gonçalves Dias (1) Graciela René Ormezzano (1) Graciliano Ramos (2) Graça Aranha (1) Gringo Carioca (1) Helena Maria Alves Moreira (2) Helena Parente Cunha (1) Herberto Sales (1) Isabelle Rodrigues de Mattos Costa (2) Isaura Maria Rigitano de Limas (1) Ivan Neves Marques Júnior (2) Jacqueline Cassia de Pinheiro Lima (1) Janaina Cardoso de Mello (1) Janaíne Januário (1) Janaíne Januário da Silva (1) Jaqueline de Oliveira Brandão (1) Joana d’Arc Martins Pupo (1) Joaquim Manuel de Macedo (4) Jocélio Jorge Mácola Rente (1) Jorge Amado (5) Jorge de Lima (2) Jorge Sá Earp (2) Jorge Vicente Valentim (2) Josiane Rodrigues Neves (1) Josué Montello (3) José Candido de Carvalho (1) José de Alencar (5) José Geraldo da Rocha (2) José Geraldo Rocha (1) José Lins do Rego (1) José Luiz Matias (1) José Sarney (1) João Cabral de Melo Neto (3) João do Rio (1) João Guimarães Rosa (6) João Pedro Fagerlande (1) João ubaldo Ribeiro (2) Júlio Ribeiro (1) Ligia Vassallo (2) Lima Barreto (6) Luana Balieiro Cosme (2) Luana Mara Almeida Teixeira (2) Lucio Cardoso (1) Luiza Lobo (16) Lygia Fagundes Telles (3) Machado de Assis (13) Manuel Bandeira (1) Marcela de Oliveira e Silva Lemos (2) Marco Lucchesi (1) Mariese Ribas Stankiewicz (2) Marina Colasanti (1) Mario Quintana (1) Menotti Del Picchia (1) Murilo Mendes (1) Mário de Andrade (3) Mônica Peralli Broti (2) Nélida Piñon (4) Odylo Costa Filho (4) Patricia Maria dos Santos Santana (5) Paulo da Luz Moreira (2) Ricardo Augusto de Lima (2) Rosália Milsztajn (2) Rubem Mauro Machado (1) Sandra Sacramento (2) Sávio Augusto Lopes da Silva Junior (2) Tereza Ventura (2) Walter De Souza Lopes (2) Wellington Alves Toledo (2) Ângela Beatriz de Carvalho Faria (1)