O HOMEM NU: CRÔNICAS


Autor: Fernando Sabino
Título: O homen nu
Idiomas: port
Tradutor: 01/07/2005
Data: –

O HOMEM NU: CRÔNICAS

 
 

Fernando Sabino

 

O homem nu

 
 
Ao acordar, disse para a mulher:
– Escuta, minha filha: hoje é dia de pagar a prestação da televisão, vem ai o sujeito com a conta, na certa. Mas acontece que ontem eu não trouxe dinheiro da cidade, estou a nenhum.
– Explique isso ao homem – ponderou a mulher.
– Não gosto dessas coisas. Dá um ar de vigarice, gosto de cumprir rigorosamente as minhas obrigações. Escuta: quando ele vier a gente fica quieto aqui dentro, não faz barulho, para ele pensar que não tem ninguém. Deixa ele bater até cansar – amanhã eu pago.
Pouco depois, tendo despido o pijama, dirigiu-se ao banheiro para tomar um banho, mas a mulher já se trancara lá dentro. Enquanto esperava, resolveu fazer um café. Pôs a água a ferver e abriu a porta de serviço para apanhar o pão. Como estivesse completamente nu, olhou com cautela para um lado e para outro antes de arriscar-se a dar dois passos até o embrulhinho deixado pelo padeiro sobre o mármore do parapeito. Ainda era muito cedo, não poderia aparecer ninguém. Mal seus dedos, porém, tocavam o pão, a porta atrás de si fechou-se com estrondo, impulsionada pelo vento.
Aterrorizado, precipitou-se até a campainha e, depois de tocá-la, ficou a espera, olhando ansiosamente ao redor.
Ouviu lá dentro o ruído da água do chuveiro interromper-se de súbito, mas ninguém veio abrir. Na certa a mulher pensava que já era o sujeito da televisão. Bateu com o nó dos dedos:
– Maria! Abre aí, Maria. Sou eu – chamou, em voz baixa.
Quanto mais batia, mais silêncio fazia lá dentro.
Enquanto isso, ouvia lá embaixo a porta do elevador fechar-se, viu o ponteiro subir lentamente os andares… Desta vez, era o homem da televisão!
Não era. Refugiado no lanço de escada entre os andares, esperou que o elevador passasse, e voltou para a porta de seu apartamento, sempre a segurar nas mãos nervosas o embrulho de pão:
– Maria, par favor! Sou eu!
Desta vez não teve tempo de insistir: ouviu passos na escada, lentos, regulares, vindos lá de baixo… Tomado de panico, olhou ao redor, fazendo uma pirueta, e assim despido, embrulho na mão, parecia executar um ballet grotesco e mal ensaiado. Os passos na escada se aproximavam, e ele sem onde se esconder. Correu para o elevador, apertou o botão. Foi o tempo de abrir a porta e entrar, a empregada passava, vagarosa, encetando a subida de mais um lanço de escada. Ele respirou aliviado, enxugando o suor de testa com o embrulho do pão. Mas eis que a porta interna do elevador se fecha e ele começa a descer.
– Ah, isso é que não! – fez o homem nu, sobressaltado.
E agora? Alguém lá embaixo abriria a porta do elevador e daria com ele ali, em pêlo, podia mesmo ser algum vizinho conhecido… Percebeu, desorientado, que estava sendo levado cada vez para mais longe de seu apartamento, começava a viver um verdadeiro pesadelo de Kafka, instaurava-se naquele momento o mais autêntico e desvairado Regime do Terror!
– Isso é que não – repetiu, furioso.
Agarrou-se à porta do elevador e abriu-a com força entre os andares, obrigando-o a parar. Respirou fundo, fechando os olhos, para ter a momentanea ilusão de que sonhava. Depois experimentou apertar o botão do seu andar. Lá embaixo continuavam a chamar o elevador. Antes de mais nada: “Emergência: parar”. Muito bem. E agora? Iria subir ou descer? Com cautela desligou a parada de emergência, largou a porta, enquanto insistia em fazer o elevador subir. O elevador subiu.
– Maria! Abre esta porta! – gritava, desta vez esmurrando a porta, já sem nenhuma cautela. Ouviu que outra porta se abria atrás de si. Voltou-se, acuado, apoiando o traseiro no batente e tentando inutilmente cobrir-se com o embrulho de pão. Era a velha do apartamento vizinho:
– Bom dia, minha senhora – disse ele, confuso. – Imagine que eu…
A velha, estarrecida, atirou os braços para cima, soltou um grito:
– Valha-me Deus! O padeiro esta nu!
E correu ao telefone para chamar a radiopatrulha:
– Tem um homem pelado aqui na porta!
Outros vizinhos, ouvindo a gritaria, vieram ver o que se passava:
– É um tarado!
– Olha, que horror!
– Não olha não! Já pra dentro, minha filha!
Maria, a esposa do infeliz, abriu finalmente a porta para ver o que era. Ele entrou como um foguete e vestiu-se precipitadamente, sem nem se lembrar do banho. Poucos minutos depois, restabelecida a calma lá fora, bateram na porta.
– Deve ser a polícia – disse ele, ainda ofegante, indo abrir.
Não era: era o cobrador da televisão.
 
 

Macacos me mordam

 
 
Morador de uma cidade do interior de Minas me deu conhecimento do fato: diz ele que há tempos um cientista local passou telegrama para outro cientista, amigo seu, residente em Manaus:
 
“Obsequio providenciar remessa 1 ou 2 macacos”.
 
Necessitava ele de fazer algumas inoculações em macaco, animal difícil de ser encontrado na localidade. Um belo dia, já esquecido da encomenda, recebeu resposta:
 
“Providenciada remessa 600 restante seguirá oportunamente”.
 
Não entendeu bem: o amigo lhe arranjara apenas um macaco, por seiscentos cruzeiros? Ficou aguardando, e só foi entender quando o chefe da estação veio comunicar-lhe:
– Professor, chegou sua encomenda. Aqui esta o conhecimento para o senhor assinar. Foi preciso trem especial.
E acrescentou:
– É macaco que não acaba mais!
Ficou aterrado: o telégrafo errara ao transmitir “1 ou 2 macacos”, transmitira “1002 macacos”! E na estação, para começar, nada menos que seiscentos macacos engaiolados aguardavam desembaraço. Telegrafou imediatamente ao amigo:
 
“Pelo amor Santa Maria Virgem suspenda remessa restante”.
 
Ia para a estação, mas a população local, surpreendida pelo acontecimento, já se concentrava ali, curiosa, entusiasmada, apreensiva:
– O que será que o professor pretende com tanto macaco?
E a macacada, impaciente e faminta, aguardava destino, empilhada em gaiolas na plataforma da estação, divertindo a todos com suas macaquices. O professor não teve coragem de aproximar-se: fugiu correndo, foi se esconder no fundo de sua casa. A noite, porém, o agente da estação veio desentocá-la:
– Professor, pelo amor de Deus, vem dar um jeito naquilo.
O professor pediu tempo para pensar. O homem coçava a cabeça, perplexo:
– Professor, nós todos temos muita estima e muito respeito pelo senhor, mas tenha paciência: se o senhor não der um jeito eu vou mandar trazer a macacada para sua casa.
– Para minha casa? Você está maluco?
O impasse prolongou-se ao longo de todo o dia seguinte. Na cidade não se comentava outra coisa, e os ditos espirituosos circulavam:
– Macacos me mordam!
– Macaco, olha o teu rabo.
A noite, como o professor não se mexesse, o chefe da estação convocou as pessoas gradas do lugar: o prefeito, o delegado, o juiz.
– Mandar de volta por conta da prefeitura?
– A prefeitura não tem dinheiro para gastar com macacos.
– O professor muito menos.
– Já estão famintos, não sei o que fazer.
– Matar? Mas isso seria uma carnificina!
– Nada disso – ponderou o delegado: – Dizem que macaco guisado é um bom prato…
Ao fim do segundo dia, o agente da estação, por conta própria, não tendo outra alternativa, apelou para o último recurso – o trágico, o espantoso recurso da pátria em perigo: soltar os macacos. E como os habitantes de Leide durante o cerco espanhol, soltando os diques do mar do Norte para salvar a honra da Holanda, mandou soltar os macacos. E os macacos foram soltos! E o mar do Norte, alegre e sinistro, saltou para a terra com a braveza dos touros que saltam para a arena quando se lhes abre o curral – ou como macacos saltam para a cidade quando se lhes abre a gaiola. Porque a macacada, alegre e sinistra, imediatamente invadiu a cidade em panico. Naquela noite ninguém teve sossego. Quando a mocinha distraída se despia para dormir, um macaco estendeu o braço da janela e arrebatou-lhe a camisola. No botequim, os fregueses da cerveja habitual deram com seu lugar ocupado por macacos. A bilheteira do cinema, horrorizada, desmaiara, ante o braço cabeludo que se estendeu através das grades para adquirir uma entrada. A partida de sinuca foi interrompida porque de súbito despregou-se do teto ao pano verde um macaco e fugiu com a bola 7. Ai de quem descascasse preguiçosamente uma banana! Antes de levá-la à boca um braço de macaco saído não se sabia de onde a surrupiava. No barbeiro, houve um momento em que não restava uma só cadeira vaga: todas ocupadas com macacos. E houve também o célebre macaco em casa de louças, nem um só pires restou intacto. A noite passou assim, em polvorosa. Caçadores improvisados se dispuseram a acabar com a praga – e mais de um esquivo notívago correu risco de levar um tiro nas suas esquivanças, confundido com macaco dentro da noite.
No dia seguinte a situação perdurava: não houve aula na escola pública, porque os macacos foram os primeiros a chegar. O sino da igreja badalava freneticamente desde cedo, apinhado de macacos, ainda que o vigário houvesse por bem suspender a missa naquela manhã, porque havia macaco escondido até na sacristia.
Depois, com o correr dos dias e dos macacos, eles foram escasseando. Alguns morreram de fome ou caçados implacavelmente. Outros fugiram para a floresta, outros acabaram mesmo comidos ao jantar, guisados como sugerira o delegado, nas mesas mais pobres. Um ou outro surgia ainda de vez em quando num telhado, esquálido, assustado, com bandeirinha branca pedindo paz à molecada que o perseguia com pedras. Durante muito tempo, porém, sua presença perturbadora pairou no ar da cidade. O professor não chegou a servir-se de nenhum para suas experiências. Caíra doente, nunca mais pusera os pés na rua, embora durante algum tempo muitos insistissem em visitá-la pela janela.
Vai um dia, a cidade já em paz, o professor recebe outro telegrama de seu amigo em Manaus:
 
“Seguiu resto encomenda”.
 
Não teve dúvidas: assim mesmo doente, saiu de casa imediatamente, direto para a estação, abandonou a cidade para sempre, e nunca mais se ouviu falar nele.
 
 
___________________
 
Fonte: SABINO, Fernando. O homem nu: crônicas. São Paulo: Círculo do Livro, s.d. p.56-58; 110-13.
 

  • Revistas



  • Escritores

    Adalberto Rafael Guimarães (1) Adelia Miglievich-Ribeiro (1) Adenilson de Barros de Albuquerque (1) Adolfo Caminha (1) Adonay Custódia dos Santos Moreira (1) Adonias Filho (2) Adélia Prado (1) Affonso Romano de Sant'ana (1) Alana Yasmim dos Santos (1) Albert von Brunn (1) Alessandra Teixeira (1) Alexandre de Oliveira Fernandes (1) Aline de Castro Costa Martins (1) Aline Menezes (1) Aloísio de Azevedo (1) Alphonsus Guimaraens (1) Alphonsus Guimarães (1) Alvarenga Peixoto (1) Alvares de Azevedo (2) Amanda da Silva Oliveira (1) Ana Aparecida Alves Pereira Oliveira (1) Ana Beatriz Affonso Penna (1) Ana Bárbara Pedrosa (1) Ana Carla Pacheco Lourenço Ferri (1) Ana Claudia Pinheiro Dias Nogueira (1) Ana Isabel Mendes Rosa Marques (1) Ana Paula A. dos Santos (1) Andre Heloy Avila (1) Andressa Mariano Gonçalez (1) Angela Cristina Dias Rego Catonio (1) Angélica Maria Alves Vasconcelos (2) António Ladeira (1) Antônio Alcantara Machado (1) Antônio Callado (2) Antônio Olinto (1) Antônio Torres (1) Armando Freitas Filho (1) Armando Gnisci (1) Artinésio Widnesse Saguate (1) Artur Emílio dos Santos Silva (1) Assumpta Camps (1) Aucilane Santos Aragão (1) Augusto dos Anjos (1) Auta de Souza (1) Autran Dourado (5) Azzurra Rinaldi (1) Basilio da Gama (1) Beatrice Bonami Rosa (1) Beatriz Nascimento Teles (1) Bernardo Guimarães (1) Caio Fernando Abreu (3) Caio Vitor Marques Miranda (2) Caique Franchetto (1) Camila Marchioro (1) Carila Aparecida de Oliveira (1) Carina Lessa (1) Carlos Calenti (1) Carlos Drummond de Andrade (1) Carlos Nascimento Silva (1) Carmem Lúcia Negreiros de Figueiredo (1) Casimiro de Abreu (3) Cassiana Lima Cardoso (1) Castro Alves (5) Cecília Meireles (3) Celina Maria Moreira De Mello (2) Ciro dos Anjos (1) Clarice Lispector (11) Claudia Vanessa Bergamin (1) Cláudia Cristina Ferreira (2) Cláudia Luna (1) Cláudia Sabbag Ozawa Galindo (1) Cláudio Manuel da Costa (1) Coelho Netto (1) Cristiane Lira (1) Cristian Souza de Sales (1) Cristina da Conceição Silva (1) Cristina Ferreira Pinto-Bailey (1) Cristina Gutiérrez Leal (1) Cristina Susigan (1) Cyana Leahy-Dios (1) Daiane Basílio de Oliveira (1) Dalton Trevisan (3) Danglei de Castro Pedreira (1) Daniele Fernanda Eckstein (1) Daniele Fernanda Feliz Moreira (2) Daniele Ribeiro Fortuna (2) Danielly Christina de Souza Mezzari (1) DANILO SALES DE QUEIROZ SILVA (1) Danilo Silva Paes Landim (1) Dante Luiz de Lima (1) Davi da Silva Oliveira (1) David Osorio (1) Davi Pinho (1) Dayane Mussulini (1) Denise Maria Soares Lima (2) Dhandara Soares de Lima (2) Diana Navas (1) Dinah Silveira de Queiroz (2) Dina Maria Martins Ferreira (2) Dinéa Maria Sobral Muniz (1) Domingos Olímpio (1) Douglas R. da Silva (1) Dr. Claudio Bogantes (1) Edelson Geraldo Gonçalves (1) Edmundo Bouças (1) Edwirgens A. Ribeiro Lopes de Almeida (1) Elaine Cristina Andrade Pereira (1) Eliane Maria de Oliveira Giacon (3) Eliezer Moreira (1) Elisa Riffel Pacheco (2) Emanuela Carla Siqueira (1) Emiliano Coello Gutiérrez (1) Erico Veríssimo (1) Euclides da Cunha (1) Fabiana Rodrigues Carrijo (1) Fabiano Dalla Bona (1) Fabrizio Rusconi (1) Fagundes Varella (2) Fernanda Aparecida Ribeiro (1) Fernando Gabeira (1) Fernando Sabino (1) Francisco Pereira Smith Junior (1) Francisco Venceslau dos Santos (1) Franklin Távora (1) Gabriela Pacheco Amaral (1) Geysa Silva (1) Gilberto Rocha (2) Gilberto Santos da Rocha (1) Gilka Machado (2) Giovanni Ricciardi (1) Giulia Spinuzza (1) Gonçalves Dias (1) Graciela René Ormezzano (1) Graciliano Ramos (2) Graça Aranha (1) Gringo Carioca (1) Helena Maria Alves Moreira (2) Helena Parente Cunha (1) Herberto Sales (1) Isabelle Rodrigues de Mattos Costa (2) Isaura Maria Rigitano de Limas (1) Ivan Neves Marques Júnior (2) Jacqueline Cassia de Pinheiro Lima (1) Janaina Cardoso de Mello (1) Janaíne Januário (1) Janaíne Januário da Silva (1) Jaqueline de Oliveira Brandão (1) Joana d’Arc Martins Pupo (1) Joaquim Manuel de Macedo (4) Jocélio Jorge Mácola Rente (1) Jorge Amado (5) Jorge de Lima (2) Jorge Sá Earp (2) Jorge Vicente Valentim (2) Josiane Rodrigues Neves (1) Josué Montello (3) José Candido de Carvalho (1) José de Alencar (5) José Geraldo da Rocha (2) José Geraldo Rocha (1) José Lins do Rego (1) José Luiz Matias (1) José Sarney (1) João Cabral de Melo Neto (3) João do Rio (1) João Guimarães Rosa (6) João Pedro Fagerlande (1) João ubaldo Ribeiro (2) Júlio Ribeiro (1) Ligia Vassallo (2) Lima Barreto (6) Luana Balieiro Cosme (2) Luana Mara Almeida Teixeira (2) Lucio Cardoso (1) Luiza Lobo (16) Lygia Fagundes Telles (3) Machado de Assis (13) Manuel Bandeira (1) Marcela de Oliveira e Silva Lemos (2) Marco Lucchesi (1) Mariese Ribas Stankiewicz (2) Marina Colasanti (1) Mario Quintana (1) Menotti Del Picchia (1) Murilo Mendes (1) Mário de Andrade (3) Mônica Peralli Broti (2) Nélida Piñon (4) Odylo Costa Filho (4) Patricia Maria dos Santos Santana (5) Paulo da Luz Moreira (2) Ricardo Augusto de Lima (2) Rosália Milsztajn (2) Rubem Mauro Machado (1) Sandra Sacramento (2) Sávio Augusto Lopes da Silva Junior (2) Tereza Ventura (2) Walter De Souza Lopes (2) Wellington Alves Toledo (2) Ângela Beatriz de Carvalho Faria (1)